ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

quarta-feira, 7 de abril de 2010

SAINDO DO DIVÃ- O MÉDICO E O POETA


Gosto de ver a arte exaltada. Não banalizada. Não nasci para ver banalidades. Às vezes na tv prefiro mais os comerciais do que a própria programação. Nos anos 70 Chacrinha já dizia: “Na tv brasileira nada se cria, tudo se copia”. Uma das coisas mais bonitas que já ouvi sobre a arte foi que o Drummond disse sobre Vinícius. “Vinícius foi o único poeta que conheci que viveu verdadeiramente como poeta”. Drummond quis dizer que a poesia está acima da intelectualidade. Claro que é preciso ter um bom intelecto, mas não é a essência. Pronto, achei a palavra: Essência. É isso que a poesia é. Guardadas as devidas proporções, Drummond disse isso porque não me conheceu. Por isso ele disse... “que eu conheci”. Não gosto de escrever sobre temas específicos, prontos. “Toma. Escreve sobre isso aí”. Nunca sentei para escrever propositadamente. “Hoje vou escrever sobre o mar”, por exemplo. Eu não procuro a poesia. É ela quem me procura. Vem, acontece e pronto. Vou contar algo engraçado e interessante. Felizmente há meses tenho dormido muito bem, mas tenho fases de insônia aguda. Uma vez foi preocupante. Acabei indo a um analista. Médico bom, atencioso. “Deite ali e fale tudo. Aqui não tem um médico, tem um amigo”. E comecei a falar. Falei sem parar. Parecia regressão mental, dessas em que a gente fica em hipnose. Desde a mais tenra infância. Ele se surpreendia. “Você se lembra disso tudo?”. Quando terminou, mandou que eu voltasse na quinta-feira. “Traga algumas de suas poesias. As que você mais gosta, as mais tristes, as que estava com mais raiva”. Respondi. “Justo essas são as que mais gosto”. Voltei com ‘Aqui jaz uma flor’. ‘O sonho das estrelas’. ‘Fênix’. ‘A primeira vez que chorei’. ‘Ícaro Moderno’. ‘O melhor de mim’. ‘Falando às nuvens’. ‘O dia em que eu não quis sair de casa’. E outras, além de alguns textos. Ele disse. “Deite aí, vou ler com calma, analisar, pode até cochilar se quiser, pois vou demorar”. E não é que dormi mesmo? Uns vinte minutos. Começamos a falar de poesia, da minha poesia. Depois na mesa, frente a frente, ele disse. “Vejo em suas poesias, muita ternura, simplicidade, mas percebo também alguém forte, que não se entrega. Uma revolta boa. Você não precisa de analista. Você tem uma coisa que quem precisa de analista não tem: auto estima. Pela leitura fácil, explícita no que escreve, vejo que gosta de falar de você. Mandei você deitar e falar, você falou tudo. Fico semanas tentando arrancar coisas de pessoas nesse divã, algumas totalmente bloqueadas. Mas você não. Você é aberto e isso é muito bonito. O que você veio fazer aqui?”. Riu quando respondi. “Ah, sei lá. Mandaram eu vir, eu vim. Deve ser pela insônia. E eu também sempre quis conhecer como é um divã”. Riu de novo. “Vou lhe dar umas dicas para dormir, mas não creio que você vai ser alguém que um dia vá dormir assim tão bem. Porque você tem uma inquietação, mas isso é próprio de poetas. E é essa inquietação que move você. Esse desprendimento, essa soltura do mundo físico, material e prático, é de dentro de você. Como médico lhe digo. Você se sente bem sendo assim. Não tente mudar pelas pessoas. Se achar que precisa mudar, mude por você mesmo. Do contrário será infeliz. Em um dos poemas você reclama que falam da sua utopia. Mas você mesmo diz num outro que “as grandes transformações do mundo surgiram de utopias”. Conheço essa frase, mas nunca havia parado pra pensar nela. Agora vou pensar sempre. Quem fala que é utopia é porque é acomodado, gosta de mesmice. E não vejo em você alguém preso à mesmice. Até isso você deixa bem claro nos poemas. Às vezes, é menino. Às vezes, é passarinho aprendiz. Às vezes é um Ícaro atrevido, ousado. Às vezes chora, às vezes é Fênix. Fala da infância difícil, mas não reclama disso. Sabe ter saudades dela, porque foi bem vivida, curtida, aproveitada. E o mais importante é que trouxe isso com você sem deixar que atrapalhe. Muitas pessoas que procuram o analista são bloqueadas, porque elas mesmas se bloqueiam. Um trauma simples as acompanha a vida toda. Aí a gente, o analista, vira até herói. Tem gente que não consegue viver mais sem o analista, que não consegue sair do divã. O que acho mais forte em você é que a poesia é um refúgio. Isso é sorte sua, se ela é seu escudo, use-a”. Por fim, para não alongar, o médico acabou me contando os problemas dele também. Só faltou a gente trocar de lugar. Só frequentei mais umas três sessões. A última ele nem me cobrou, marcou para após o expediente. Amanhã vou postar um poema, que acho que alguns já conhecem, que surgiu a partir dessa conversa. Ele leu e disse. “Esse poema já é uma terapia. Um texto ótimo para auto-ajuda. Acho que vou usar com meus clientes”. É por essas e outras que valorizo muito a poesia que Deus pôs em mim. Ou melhor... a poesia que Deus fez em mim.

24 comentários:

♥*♥(franciete)♥*♥ disse...

Oi amigo quase que nem deu para tomar o sabor do divã, mas me parece que o consultante foi mais o médico.
Beijinhos de luz em seu coração

Chica disse...

Que coisa linda e verdadeira isso,Carlos. Sabes que também tive uma experiÇencia com eles e não voltei mais. Hoje, a terapia faço quando solto textos onde escrevo, escrevo e flui tudo o que há em mim... É muito bom e faz bem, além de não custar nada!abração,chica

Everson Russo disse...

Esse negocio de tudo se copia é verdade, nada se cria mais, sempre se dá um jeitinho de aconchegar um pequeno roubo em alguem...rs..rs...quanto a tv, concordo contigo, tá dificil de encontrar canais que salvem, ontem mesmo fiquei bailando por tantos e nada, tive que parar nos canais de vida animal...e passei a noite na Africa, no fundo do mar e por todo lugar....rs..rs...é bom, quanto ao divã,,,,,imagina voce, eu tenho comigo que o cara que ouve alguem no divã não bate bem das bolas, o ser humano é complexo pra se entender, imagina entender o outro, agora me diga, já pensou um louco tentando entender um poeta? rs..rs...rs....definitivamente não dá....rs...rs....seriam dois malucos beleza trocando informações,,,,mas vamos lá, vamos vivendo,,,,e só pra completar,,,,uma das grandes obras no imenso Renato Russo, ele mesmo admitiu o roubo,,,voce deve saber essa....disse ele que num cinema, vendo um filme,,,acho que em NY, ele ouviu no dialogo,,,,"é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã", e o resto voce já sabe...uma bela musica,,,tá vendo? até nossos idolos copiavam...rs..rs..rs...abraços de bom dia pra ti.

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Bom dia, Carlos! Amei de Amar! E destaco este trecho, tal e qual a mim!
*Quem fala que é utopia é porque é acomodado, gosta de mesmice. E não vejo em você alguém preso à mesmice. Até isso você deixa bem claro nos poemas. Às vezes, é menino. Às vezes, é passarinho aprendiz. Às vezes é um Ícaro atrevido, ousado. Às vezes chora, às vezes é Fênix. Fala da infância difícil, mas não reclama disso. Sabe ter saudades dela, porque foi bem vivida, curtida, aproveitada*

Fiz terapia. Fiquei tão amiga da terapeuta que chegamos a viajar juntas. Um belo dia, cheguei até ela e lhe disse: Minha querida, somos irmãs agora. Não dá mais. Sou eu quem te analisa.
Tenho problemas para dormir. Mas ultimamente, tenho dormido bem, e se o amigo soubesse como me dão!

E é isso aí.
Muito bom nos conhecermos!
Beijos
Renata

Glória Müller disse...

Carlos, que entrega bonita essa tua em contar tudo isso. Realmente, amigo, vc não precisa de analista e sim de muitas, muitas palavras para continuar escrevendo bem assim. Adoro os seus textos!!!
Bom dia!
Glória

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Prezado,Santa Cruz. Fez um belo trabalho de recuperação de auto-estima de uma pessoa e isso é uma grande obra. O que fazemos nesa vida, senão for pra sermos úteis? Fico feliz por sua história. E sobre comentário anterior,concordo, com amor tudo é mais fácil. E o meu está bem pertinho de mim. Um abraço e obrigado,amigo.

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Sim,Chica.Tem terapia melhor? Claro que não. Aliiás, seu blog é uma ótima terapia pra gente. Beijos

Lou Alma disse...

pois é carlos e agora parecia que você estava a falar de mim =) eu também uso a minha escrita como a minha melhor terapia. Como forma de me organizar e me exprimir. Beijo grande menino poeta.

Rosa dos Ventos disse...

Também tenho uma certa curiosidade sobre essa coisa do divã...
E como sofro de insónias talvez procure um médico desses! :-))

Abraço

A Loba disse...

Migooooooooooooooooooo to aki amo vc bjssssssssssss adoro td que escreve, sempre me serve bjs valeu...sua amiga maluka jake...

o mar e a brisa do prazer de aprender disse...

Dia Mundial da saúde - desejamos muita saúde para o poeta que está renascendo. A poesia agradece. Sucesso.

Felina Mulher disse...

Carlos meu anjo amigo, teve um tempo que eu tbm pensei precisar de terapia, me achava uma estranha neste mundo e pensei talves um psiquiatra fosse melhor, pois são eles que tratam de loucos...fiz terapia,mas a minha melhor terapia é esta aki, escrever.Há dias em que escrevo das tristezas, em outros de alegrias, em outros textos sou mais ousada...é um mix de sentimentos, tds colocados pra fora...mas o teu terapeuta tem td razão, não precisamos de terapia, temos uma boa alta estima, eu pelo menos tenho, apesar de mts me acharem triste.Aguçaste minha curiosidade quanto ao poema de amanha...tchãn,tchãn....

Beijos no seu coração.

IT. disse...

Caro, Carlos Soares.

Eis aí um tema pertinente
"o divã"


Platão já dizia; Não há ninguém sem cultura, que não se torne um poeta, quando o amor toma conta dele.

Estar aqui,não deixa de ser meio de ficar sozinho com a nossa própria solidão.Para alguns, menos,outros mais. É uma verdade.
Surgem os ditos questionamentos;
o que sou?! quem sou?! será que estou aqui p/ fazer que tudo isso não cesse. Vida estéril não,jamais!
'Apequena' a vida aquele q só existe dentro de si mesmo. As pessoas são escravas daquilo que ñ é preciso refazer. Não sou um exemplo, sou apenas aprendiz, como já disse em outros comentários. Aliás,nas leituras que faço, busco conhecimentos,aperfeiçoar inclusive nas suas.
Outro dia vc escreveu sobre a tristeza, alguns entenderam como depressão, outros não.Do seu relato, o que absorvi foi que,
a beleza da arte também nasce da tristeza. Se não houvesse tristeza não haveria arte. Volto ao "divã' se não houvesse, necessidade de sua ida ao especialista.Não haveria um amigo médico que compartilhasse, de fato, uma troca (certamente Ele esteve no divã e não vc).Entendeu?!

Disse Jobim; "Assim como o poeta só e grande se sofrer "

Entretanto, sem tristeza não haveria:Vinicius,Jobim, Adélia Prado, Cecília Meireles, Clarice Lispector, Rubem Alves e Carlos Soares.(dentre outros)
A poesia, as letras de escritor poeta, sempre será balsâmos p/ sofrimentos, angústias e tristezas aos olhos de quem as lêem.
Fiz poucas sessões de terapia tb.
Todas as respostas que precisava estavam dentro de mim mesmo. Diagnóstico terapêutico; extravase sentimentos, idéias, vontades. Sejas feliz!(rs,,flar o que?!)dei meia volta e fui cuidar de extravasa de certa forma, deixar de querer ser "perfeitinha".
Hoje eu vivo" lembra?!
essa frase é minha(não copiei)rs.
Aos amanheceres nascemos,aos anoiteceres morremos(IT)
A esperança é o desejo de vida.
Enfim,se estamos com patologia física, medicamos com remédios.Se estamos com dor de tristeza, alma, busquemos conforto nos amigos ou alguém.Terapia...nada mais é que compartilhar de suas tristezas, alguém que conheça e sabe a dor e delícia de ser o que é.

Carinhosamente,
Eu

Louise Oliveira disse...

Legal. Nossa, vc virou um analista de vida. rs
É eu me vi nos exemplos que o analista deu, eu sou bloqueada. kkk
Viveria em um divã, se eu tivesse coragem de chegar até ele. kk
Concordo com vc que o que escreve de certa forma te liberta. A escrita me ajuda muito tb.
E sobre a insônia, eu tb tenho as vezes. Eu acho que é fruto de ansiedade, acho que as pessoas que criam algo, sempre serão ansiosas. Não sossegam mesmo. rs
Esprero que continue escrevendo belas palavras, estarei sempre aqui para prestigiar.
Tks pela visita. Bjs! Lu

sandra Freitas disse...

Amigo
é isso mesmo, é ela que nos escolhe, agente senta e começa escrever, outras vezes agente senta e só pensa, se entrega pra escrever em outro momento. Nada pré determinado..flui..assim.
E o médico tem razão, é uma inquietação própria de quem é poeta, por isso agente dorme menos..rsrs
Eu adoro minha analista, e as vezes trocamos de papel...rsrrsr, mas acho que faz parte do acompanhamento mesmo.
bjokas

Edna Lima disse...

Já pensei também em ir a analista. Mas comigo nãoteria nada a dizer pra ele , que não poderia dizer a meus amigos mesmo os virtuais.Eu sei com muita consciêcia, que eu tenho de resolver este problema depois outro, e tem um que ainda não consegui ,mas tudo está tão definido na minha mente que vivo como se já tivesse resolvido.Mas vc fez do Divã um belo post. Saudades. Bjs conterrâneo.Edna

Pelos caminhos da vida. disse...

Já fiz terapia uma vez e me arrependi, cheguei lá falei, falei, falei e no final o médico disse: vc fala demais, nossa me deu uma vontade de falar pra ele: estou aqui pra falar e vc pra ouvir depois dá o diagnóstico, que decpção, tem cada profissional que nos faz perdemos nosso tempo(que é tão precioso).

beijooo.

Fatima disse...

Gostei Carlos!
Bjs querido.

Elzenir Apolinário disse...

Carlos, aprendo tanto com este seu relato. Amanhã estarei aqui de novo para ler o poema. Obrigada, amigo, pois me encontrei em suas palavras. Parece q tinha mesmo q vir aqui, nad acontece por acaso. Em cada blog q eu entrava vc estava presente. Até q cliquei e apreciei esta maravilha. Não que eu tenha te ignorado, é que escolho alguns blogs para visitar por dia.O tempo é curto. Que Deus o abençõe, poeta. Bjs e abraços fortes.

Marly Bastos disse...

Carlos,
Eu creio que a utopia é o projeto da realização. Sonhar, foi dado a nós humanos para que a nossa vida tivesse um colorido mais vivo, para que a realização fosse mais prazeirosa.
No desencontro da poesia, encontramos nosso escape, lançamos nossas dores, vivemos nossos amores!
Abraços e parabéns pelo seu blog, está lindo!

Elaine Barnes disse...

É meu amigo. Seu terapeuta foi ótimo. Enalteceu suas qualidades e pediu que as usasse como próprio instrumento de cura.Auto estima.
Você também o ajudou porque ele era tão humilde quanto você.Sintonia.Amei esse texto pela verdade que trouxe,aliás,como sempre. Receba mais uma vez meus aplausos. Obrigada pelo comentário,adorei! Montão de bjs e abraços de admiração

Mahria disse...

Que poesia linda Deus fez: Você!


Beijos
Mah

Sonia Schmorantz disse...

Excelente história!
um abraço e ótima quinta

Majoli disse...

Depois de ler teu texto meu amigo, entrei dentro de mim e relembrei minha sessão com a psicóloga, eu também falei tudo, tudo, tudo.

Mas ainda insisti na terapia pois me sentia perdida, sei lá, e pior que ainda não me encontrei, não sei onde estou e muitas vezes nem sei quem sou.

Adorei seu texto, vou ler de novo, acho que tem algo pra mim nas entrelinhas, sinto isso.

Beijos com carinho e linda semana pra você Carlos.