ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

O POETA E A FREIRA- NOVA VERSÃO


( imagem revishost.uol.com.br- google))
Recordando, terminou assim o outro texto: “Quero sim. Capricha aí nos sapatos, porque à noite tenho um grande evento literário". Enquanto o garoto engraxava, o cliente puxou assunto. "Tem algum convento aqui perto?". O engraxate respondeu. Tem sim senhor. A umas cinco quadras daqui". Corrigiu-se. "Estou maluco? Pra quê estou perguntando isso? Se antes era impossível, que dirá agora, tão comprometida que está? Ela é uma freira". E rapidamente desvencilhou-se da ideia de procurá-la. Por instantes lembrou-se de seu rosto desconcertado, sinal que ainda o amava. Ele só não sabia se ficava feliz ou triste com isso. Foi um dia longo aquele, dividido entre a ansiedade do grande evento e as recordações de um rosto que acreditava estar no passado. Às vezes o passado é mais presente do que o próprio presente. O grande teatro em forma de coliseu estava repleto e lindo. Os autores sentados entre a própria plateia, eram chamados um a um à frente para a premiação. Recebiam o troféu, faziam um curto discurso e desciam de volta aos seus lugares sob muitos aplausos. Um detalhe que ele observou é que todos estavam acompanhados de namorada ou esposa... menos ele. Isso por momentos o deixou triste, talvez ainda pelo reflexo do encontro inesperado durante o dia. Não, não era
hora de ficar triste, era hora de júbilo e felicidade. Nada poderia macular aquela noite. "É pela poesia que estou aqui, foi ela que me trouxe até aqui". Quando foi chamado, andou extasiado sob as palmas ecoando pelo teatro que tinha uma bela caixa de ressonância. Como todos, recebeu o troféu, fez seu discurso e voltou à cadeira. Após a premiação, um coquetel. Poetas bebericando, beliscando guloseimas nas bandejas, trocando informações, cumprimentos, ostentavam seus troféus. E claro, muitas fotos. Todos queriam registrar o grande momento. O fotógrafo oficial do evento ofereceu-lhe o serviço de fazer um álbum, ele não era diferente e prontamente aceitou. Terminada a sessão de fotos, o fotógrafo afastou-se. O poeta caminhou lentamente até o chafariz, ficou contemplando a água colorida que descia, admirando as flores, pensando sabe-se lá o quê. Poeta pensa o dia todo. De repente uma voz de mulher. "Posso tirar uma foto com o poeta?". Aquela voz era inconfundível. Não, não podia ser. Virou-se devagar. Era ela. Deslumbrante. Maravilhosa. Cabelos loiros, pouco abaixo dos ombros. Um lindo vestido vermelho longo com uma rosa branca do lado esquerdo. Lindamente maquiada. Faltou-lhe voz para responder. Ela insistiu. "Não vai responder? Posso ou não posso tirar uma foto com o poeta?". Respondeu com voz vacilante. "Bem...eu...é... quer dizer...pode sim, claro. Mas você aqui? Como conseguiu liberação no convento?". Ela aproximou-se mais e perguntou. "Por acaso estou vestida como freira? Não pertenço mais ao convento... pertenço a você. Como sempre pertenci. Beije-me logo por favor". Ele não pensou duas vezes. Um beijo que esperou anos, não aguentava esperar nem mais um minuto. E se beijaram. E como se beijaram. O chafariz colorido atrás daquele casal deu uma moldura perfeita ajudando a compor aquele quadro de amor. Depois de muitos beijos e abraços, a surpresa. O fotógrafo aproximou-se. "O senhor me desculpe, mas não resisti e tirei uma foto de vocês. Se quiser eu apago, mas não resisti à cena". O casal riu muito. "Mas o senhor teve uma grande ideia. Quanto pago por esse adicional?". E ele. "Paga nada. Essa vai ser de presente ao casal. Gosto de ver o amor vencer". E venceu mesmo. Casaram-se e dormem "juntinhos, pezinhos coladinhos, pijaminhas de bolinha".

27 comentários:

rosa-branca disse...

Olá amigo, não resisto a uma bela e comovente história de amor. Adorei. Beijo com carinho

Lou Alma disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Everson Russo disse...

Meu amigo,,,sempre bom estar ao lado dessas suas historias de amor,,,e cá entre nós,,,com participação especial fica melhor ainda...abraços de bom dia pra ti....

José disse...

Olá Carlos, linda essa história de amor, o poeta nunca está só, está sempre com os seus pensamentos, mas com uma companhia assim é bem melhor.
E neste caso, é caso para dizer que ao lado de um grande poeta, está sempre uma grande poetisa.

Um grande abraço,
José.

F@bio Roch@ disse...

Bela história!! Muito bom seu blog...já estou lhe seguindo...setiria-me honrado em tê-lo como meu seguidor também!!

ABRAÇO!!!

Pelos caminhos da vida. disse...

Mais uma bela história.

beijooo.

Valvesta disse...

Essa é uma linda história de amor...preciso providenciar um pijama de bolinha, quem sabe a sorte vem. beijos.

Valvesta disse...

Limite
por Valéria Gomes, terça, 24 de agosto de 2010 às 01:09

Saio correndo na chuva de pijama



Me nego a olhar para trás



Corro em disparada



Deixando para trás a noite fria



Os medos, fantasmas



Quero colo



Então grito ensandecida



Ainda dói



Então corro



Vou deixando para trás a falta de ti



Vais escorrendo de mim



Se misturando à chuva



Que alivía-me o cansaço da dor



Sendo eliminado por todos os poros



Levado para longe pelas águas da chuva



Não posso mais controlar-me



Atravesso a madrugada



Meus gritos rasgam o silêncio



Desejo matá-lo em mim



A tempestade é quem tenho por companhia



Esvaziei-me de ti



Sinto leveza, mas nada tenho



Não há mais ao que me prender



Fiquei só



A ferida está aberta



Mas não a sinto sangrar



O coração ainda bate



Mas não ouço a sua dor



As roupas se colaram ao corpo



Cabelos caídos sobre o rosto



Ví-me ali



Refletida numa poça d'água



Compreendi



Precisarei seguir adiante



Rumo ao calor de um novo sol



Espero que alguém possa me encontrar



Que me leve pelas mãos



E me sinta através do olhar



Me tirando da chuva



Ainda estou fraca



Tonta de tanto lutar



Preciso seguir



Pois já não existe o ontem



Não tenho mais memória



Sou alguém sem passado
Comentar · CurtirCurtir (desfazer) · Compartilhar

*
*
*
o
Valquiria Calado Pijama de bolinhas?, o menino beija flor postou algo sobre um pijama de bolinhas....hummmm

No meu face book, coincidências....
Vai lá valquiriacalado@gmail.com, te espero

Sandra Botelho disse...

Lindo, lindo, lindo...Anita plantou flores em seu texto, agora ele tá perfumado com o mais sublime perfume...O perfume do amor.
Bjos achocolatados meus queridos!

Wanderley Elian Lima disse...

Oi Carlos
Acho que sou romântico, adoro finais felizes. Amei a nova versão.
Abração

Edna Lima disse...

Adoro histórias de amor.
E com finais felizes melhor ainda.
Grande bj. Edna Campos

Machado de Carlos disse...

Amigo Carlos,

Obrigado pelo seu comentário a respeito do meu soneto. Mas creia a sua escrita é perfeita; lembra-me dos tempos em que Machado de Assis escrevia suas novelas para o jornal e posteriormente, os capítulos transformavam-se em belos romances que lemos até hoje.
Receba os meus Parabéns Amigo, continue escrevendo sempre.

Saozita disse...

Olá amigo Carlos, é linda essa história de amor! Adorei.

Beijinhos com amizade.

Sãozita

Sonhadora disse...

Meu querido Carlos
uma bela história de amor, adorei.

beijinhos
Sonhadora

Sandra disse...

OLA AMIGO, VIM TE VER. NÃO ME ESQUECI DE TI. SIMPLESMENTE ANDO SEM TEMPO.
MAS APROVEITO PARA LHE CONVIDAR EM FAZER UM TURISMO RURAL. ONDE??AQUI...
VENHO LHE PEDIR UM PONTINHO NA INTERAÇÃO DE AMIGOS.
http://sandrarandrade7.blogspot.com.
Só que o comentário deverá ser realizado lá na Adeia de Minha Vida conforme o endereço abaixo.
Qualquer duvida é só ir na interação de Amigos e ver o link. Mas deixo aqui também.
Desde já agradeço o seu carinho. Pois gostaria muito de ganhar o livro lá de Portugal. sempre participo das coletivas de lá.
Blog Coletivo-Uma Interação de Amigos- COLETIVAS-COMPARTILHE. TEM -TURISMO RURAL-CONHEÇA UM POUQUINHO DESSE LUGAR ..VOU TE ESPERAR POR LÁ.
CLIQUE E COMENTE...CADA COMENTÁRIO VALE TRÊS PONTOS. MAS TEM QUE SER LÁ NA ALDEIA DE MINHA VIDA.
.http://aldeiadaminhavida.blogspot.com/2010/08/momentos-especiais-em-turismo-rural.html#comment-form
VENHA SABOREAR AS DELICIAS DESSA POSTAGEM. DESCANSE NESTE RECANTO RURAL. SUPER MARAVILHOSO.
Conto com o seu carinho em comentar. Desde já agradeço do fundo do meu coração.
Carinhosamente,
Sandra

"Cantinho Poético" disse...

E dentro da minha ternura
neste instante de beleza calma,
sinto que acima da matéria
e além dos limites do pensamento
estou impregnada de tua alma.


Zoraida Hosterman Guimarães


Lindo e belo amanhecer! Beijos !!

Hana disse...

Querido amigo, adorei o post, sabe que me fez lembrar da minha mãe que era freira, ou melhor noviça no convento e logo que fez os votos p/ freira, acabou se apaixonando pelo meu pai, isso no inerior do Br, a 45 anos atras, pensa só, rssss, e minha mãe já com já com 37 anos, imagina a confusão na cidade, mas são historias da vida real, e fiz parte dela, depois que minha mãe percebeu que estava ja a 6 meses gravida de mim teve que sar da cidade ou melhor fujir com meu pai, kkkkkk, sabe minha mae sente vergonha quando relembro destas historias, mas todos achamos o máximo, kkkkk. Então vc hoje esta lá no Mural Hana, fiz um carinho a vc, para demonstrar gratidão pelos momentos que aki passo e são maravilhosos. vai lá e procura num dos textos, beijos, hah tem selinho se quizer.
com carinho
Hana

Hana disse...

Então amigo, tive que fazer tudo de novo minha postagem, aíiiiii que vergonha de não saber lidar com computador, rss,sabe quando vc faz metade e perde outra metade foi assim, mas olha fiz tudo de novo e vc esta lá, vc desculpa eu acho que vc e mais 3 amigos na segunda vez que fiz tinha perdido minha lista, agora ta lá, desculpa eu amigo, vc não tem noção do que é não entender de computador, kkkkk.beijos

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Lindo! Quem faz do seu Tempo reflexão sobre si e o mundo que o cerca, mas sem apertar o gatilho, por isso merece Paz e muito Amor nesta Vida! Ainda mais quando este Tempo é revestido de Amor e Bom-Humor poéticos.
Adorei a história, linda e comovente!

"Olhas o amanhecer,
vives o amanhecer como o único instante
em que o céu é entreaberto segredo de um deus mudo.

Espera: algo vai se revelar e deves estar pronto
para mergulhar teu sonho num poço de luz casta.

O intocado te espera. E amanhece. E te iluminas
como se trincasses com os dentes a polpa do absoluto.

Alphonsus de Guimaraens Filho"

Bom Dia, meu amigo!
Até mais++++
Renata
Jamais me esqueceria de você!!!

Everson Russo disse...

Um belissimo dia pra ti amigo,,,abraços.

Priscila Lima disse...

beijinho das conchas pra vcs!
o amor de verdade é sempre uma história feliz...

Luciana Penteado disse...

E tem passado que é mais presente que o próprio presente mesmo...
Bom é que a gente pode reinventar os finais quando somos donos da história.
Um final digno de dois amantes, com pijama de bolinha e tudo.

Beijos pra ti!

glєвѕσn Dllιмα disse...

Olá obrigado pelo comentário no blog.
Desde já serei um leitor apto dos eu.
Se você tiver Email para contato me envia por favor.
Forte abraço adorei teu cantinho.

Majoli disse...

Amei, amei, amei e amei nem sei quantas vezes amei.
:)
Sou romântica por demais, e esse toque especial da Anita, ah, ficou encantador.
Adoro finais felizes, sempre.
Beijos meu querido amigo, pra você e pra linda Anita.

Bruna disse...

Oi meu anjo tá linda a poesia. Anita tinha razão, ficou mito, mas muito melhor mesmo! Ficou "pra lá de bom sóh"!!! Beijos.

legalmente loira... disse...

queridas amigas e amigos......
hoje não poderei ler nada estou debilitada

Obrigado pelo carinho,
fico feliz quando passa
por aqui...

um bom dia
abços e bjos.

Eduardo Medeiros disse...

Carlos, como seria bom na vida real se pudéssemos escolher finais possíveis...

É claro que assim, a história de amor termina como todo história de amor deve terminar: com os amantes felizes para sempre.

Mas é claro que na vida, nem tudo acaba com nós queremos. Os finais não tão felizes, acontecem a todos os momentos na vida real.

abraços