ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

segunda-feira, 1 de março de 2010

UM CERTO JOGO DE FUTEBOL


( imagem futnegtal.files.wordpress.com )
Obrigado a todos pelos comentários sobre o luto. Vamos falar de coisas engraçadas
agora.
/////////
Entramos na semana das mulheres e vou tentar fazer uma semana de exaltação a elas. O que não é fácil, acho que tudo ou quase tudo já foi falado, mas a gente tem uma palavrinha a mais. Mas não vai ter só homenagem não.Hoje mesmo vou contar um caso engraçado. Na 6ª, 7ª série, no fim da tarde, jogávamos bola no campinho. Algumas meninas gostavam de ficar vendo. Algumas até se arriscavam a brincar com a gente. A gente, claro, com mais força física, cuidávamos pra não machucá-las, mas levávamos cada chute na canela. É que algumas eram desajeitadas. Outras já levavam jeito, como Mirtes, por exemplo. Seria a nossa Marta antigamente, até lembrava ela um pouco fisicamente. Guerreira também. Num desses dias perguntei à Mirtes porque não faziam um timinho de futebol, como nós, que jogávamos contra outros bairros e até colégios. Ela gostou, mas não sabia como fazer. “Simples”, falei. “Reúna algumas amigas que jogam melhor e o time está pronto. Compram um bola, alías nem precisa, bola nós temos”. Ela acenou com dedo polegar. “Boa idéia, mas vou fazer diferente. Vou falar com a professora de educação física, fica mais organizado”. Dali uns dias durante nossa aula de educação física, nosso professor e a professora dela chegaram juntos falando do time feminino. A professora pediu a palavra, todos sentados na quadra e disse. “Precisamos da ajuda de vocês, para emprestar meiões, camisas, bolas, apito, ensinar um pouco de regras”. Eu sempre safadinho, fiz um gesto bem sem vergonha com as mãos. “Eu quero ser massagista”. Mirtes gritou lá do fundo. “Deixa de ser safado, Carlos”. Pronto.O time acabou sendo feito e o primeiro e único desafio, foi contra outro bairro, que era rival do nosso no futebol masculino. O jogo seria no campo adversário, mais bonito, mais gramadinho, tinha até rede. Enfim. Perdemos de 6x1. Mirtes, que fez nosso único gol, nervosa pela derrota, não gostou de uma marcação da juíza, foi pra cima dela e rolaram na grama. De repente quase todas brigavam. Os professores desesperados tentando separar. Separar briga de duas mulheres é difícil, imagina umas dez ou doze. Era puxão de cabelo pra lá, arranhão pra cá. Tênis, kichute voando. Bofetões. Mas não era só isso. Algumas sabiam dar soco. Eu, tentando separar, levei um soco na boca . Tinha mulher brigando até dentro do gol. E quando terminaram os confrontos físicos, tome xingamentos de lado a lado. “Piranha”. “Vadia”. “Sua vaca”. “Tomadeira de homem dos outros”. Fora os impublicáveis. Como pode isso? Todas na faixa de quinze, dezesseis anos, com todos esses xingamentos. Quando tudo realmente terminou, eu e uns colegas sentamos lá fora comentando o caso. Eu, tentando chupar um picolé já que meu lábio estava cortado, doendo bastante, ouvi meu amigo dizer. “É, Carlos. Você e suas idéias”. “Ah, cara eu ia imaginar
que ia dar nisso?”. Mirtes veio por trás, me deu um tapão nas costas. “Viu, Carlos? A gente pode não jogar bola, mas brigar a gente sabe”. Olhei pra ela toda descabelada, suja, rosto e braços arranhados e respondi mostrando. “Sabe mesmo. Me deu até um soco na boca. Você pode largar o futebol, lutar boxe, vale tudo”. Ela levou as mãos à cabeça. “Pôxa, Carlos. Desculpa, amiguinho. Não foi por mal. Era pra acertar na ladra da juíza”. Quando ela se levantava pra ir, fiz uma ‘ameaça’, brincando. “Isso não vai ficar assim”. E ela gozando. “Claro que não.Vai inchar”. Depois disso, quando ela estava em algum lugar, eu chegava dizendo pra alguém. “Cuidado com essa menina, ela bate na gente”. Ela respondia alto pra todos ouvirem. “Pôxa, Carlos. Assim você me atrapalha a arrumar “namorada””. Ela dizia isso porque muita gente falava que ela era sapatão e assim, sempre irreverente, não dava mesmo satisfações a ninguém e deixava que pensassem. “Filosofia da vaca, Carlos... ‘fazendo’ e andando”. Eu sei o que eu sou e o que não sou. E não tinha mesmo nada disso. Até se casou. Só não sei se teve filhos. Mirtes morreu muito nova, só 36 anos, com uma doença rara que dizem ter contraído no hospital onde trabalhava como enfermeira. Bem, naquele tempo, já existia mulher diferente

17 comentários:

Elaine Barnes disse...

Pena que deu nisso...Lembrei de uma amiga da "quinta-série" Sandrinha Rivelino,jogava melhor que todos os meninos,bem "machinho" mesmo,mas, era adorável e justa. Me arrisquei no gol pra não ficar de fora do time feminino, levei uma bolada no rosto da Rita,(muito boa jogadora também) que cai de costas, o mundo ficou escuro e desde então deixei de jogar futebol e também todos outros jogos das aulas,pois, quando a bola vinha pra mim, automaticamente eu cobria o rosto rs...Encerrei a "carreira" bem cedo rs... Montão de bjs e abraços

Fatima disse...

Gosto de ler suas histórias.
Bjs.

Everson Russo disse...

É mesmo meu amigo,,,semana delas, eu nem estava lembrando, ufa,,,me salvou,,,engraçado, eu acho até facil falar delas,,,é amor, pureza, paixão, loucura, poesia...elas são tudo que a gente precisa,,,são a nossa paz....sabe,,,o texto que tá no Livro hoje foi feito pra Menina Lu,,a Luciana do Afrodite,,,sabado a noite recebo um email desafio dela,,,rs,,rs,,me pegou assim,,,de lance e pediu,,,eu fiz e dediquei,,,,quanto ao seu luto meu amigo,,meus mais sinceros sentimentos,,,infelizmente a unica certeza que a vida nos dá é a que mais nos assusta,,,forte e fraterno abraço, que Deus de conforto ao seu coração,,,uma bela semana pra ti.

Sandra disse...

Uma Linda história, amigo.
Cada mulher tem seu jeito especial deferente de ser. Parabéns pela postagem em homenagem as mulheres.

Um grande abraço,
Sandra.

Passe na interação de amigos. Vou te esperar por lá.
Acesso na Curiosa.
Carinhosamente,
Sandra

Felina Mulher disse...

aiai...só vc msm pra me fazer rir hoje...kkk....acho que faço parte do time da Mirtes, se é que me entendes...defecante e caminhante em relação ao que falam de mim, as pessoas mal me conhecem e já tiram suas proprias conclusões.

Vai ser uma semana de risos pos cá?

Beijos.

Impulsiva disse...

Adorei a história, a Mirtes era mulher de personalidade forte, tão nova e tão segura, lembrei de mim mesma.
Aliás lembrei de tanta coisa...adorei mesmo. Foi ótimo começar a semana assim!!!

Beijos,
Kenia.

Sonhadora disse...

Meu querido Carlos
As suas hitórias, são o máximo, não conseguimos deixá-las a meio porque são interessantes do principio ao fim.
Beijinhos
Sonhadora

Lianara Kerkhoff **Lia** disse...

Oi Carlos!

Gostei da Mirtes!!

A "Filosofia da Vaca" é perfeita!...rss

Abraços
Lia♥

EDUARDO POISL disse...

Estou feliz por ter completando as MIL postagem no blogger UMA PAGINA PARA DOIS.
Vim agradecer por você fazer parte dele com o seu carinho.

Abraços, te desejo uma linda semana

Priscila Lima disse...

a vida continua meu amigo Carlos e vc sempre criativo...
abraço.

Wanderley Elian Lima disse...

Olá amigo
É história é engraçada e suas lembranças sempre nos prende a leitura , pena que teve um final triste. Mulheres especiais existem várias e entre elas incluo minha mãe que, com 85 anos é completamente independente não admitindo nem empregada. Êta doninha danada.
Grande abraço

SONHADORA disse...

OI BEIJA FLOR
MARAVILHOSA HISTORIA
TODOS SOMOS ÚNICOS

BEIJA FLOR
SE PREPARA MENINO!!!!!IH IH IH
50 ANOS DE CASAMENTO..........
VAI SER DOSE.....
ESTOU A BRINCAR...ESPERO QUE NÃO SEJAM 50 MAIS 60 NO MININO...COM ALGUMAS BRIGAS...
AH AH AH
DE CERTEZA MAS SÃO BRIGAS AMOROSAS
E QUANDO SE FAZEM AS PASES !!!!
AI TUDO ESQUECE....

RESMAS DE BEIJOS DA PORTUGUESA

Mariana disse...

Historia linda, e pelo jeito virão muitas neste mês.
Gosto de visitar-te.

Pelos caminhos da vida. disse...

Gosto de vir aqui e ler suas histórias.

beijooo.

cristal de uma mulher disse...

Otimo texto ,nos faz lembrar de tantas coisas vivida e boas que dar vontade de chorar..Beijos amigo

Everson Russo disse...

Meu querido amigo,,,vamos agora numa campanha pra não deixar a nossa amiga Felina ir embora,,,descobri que ela fez o ultimo post,,,fiz um pedido aos amigos no Livro e faço aqui a voce pra dar uma chegadinha lá e deixar um carinho pra ela...ela merece...é uma pessoa do bem,,,com sentimentos puros e sinceros,,,e vai fazer muita falta...abraços de otimo dia pra ti.

paula barros disse...

rsrs me lembrei das vezes que joguei futebol com os meninos da rua, acertava tanto as pernas dos coitados.

abraço