ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

quinta-feira, 11 de março de 2010

A SAUDADE É UM ABISMO


( imagem coramaria.com.br )
Esse abismo pode me engolir.
Essa imensidão pode me consumir,
mas, nada se compara à sensação devoradora
muito mais imensa e assustadora.
Subi montanhas pra fugir da saudade.
Que maldade pro meu coração!
Busquei refúgio,
mas não tenho asas, só imaginação.
Quisera que esse sol que me clareia
fosse o olhar dela
que muito mais me acende e norteia.
Que essa suave brisa
que me causa tanto gosto
fosse as mãos dela, de que meu rosto precisa.
No alto dessa montanha
sinto-me grande e pequeno
e o clima ameno que ora se faz
não combina com meu peito que arde sem paz,
de ciúmes, de queixumes, de saudade
ansiedade tanta que dá vontade de voar,
cruzar esse espaço,
buscar aquele abraço, repousar naquele ninho
e de lá não mais sair
pra nunca mais me sentir sozinho.
/

16 comentários:

Maria Bonfá disse...

bom dia querido... amei seu poema principalmente esse verso

No alto dessa montanha
sinto-me grande e pequeno
e o clima ameno que ora se faz
não combina com meu peito que arde sem paz,
de ciúmes, de queixumes, de saudade
ansiedade tanta que dá vontade de voar,
cruzar esse espaço,
buscar aquele abraço, repousar naquele ninho
e de lá não mais sair
pra nunca mais me sentir sozinho.


me indentifiquei nesse verso.. meus desejos todos descritos ali.. parabens vc consegue sempre me surpreender.. cada dia que passa vc escreve com mais beleza e mais ardor..beijão

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Carlos
O inigualável Chico Buarque, já disse em uma de suas canções: "Inútil dormir que a dor não passa."
Abração

Everson Russo disse...

Interessante que, saudade é gostoso, quando se sabe que vai mata la uma hora,,,,mas é sim um abismo enorme quando é so sonho, quando a gente se perde em medos e monstros imaginarios,,,,ela é devoradora, assustadora, vazia,,,,como voce mesmo disse,,,um abismo,,,,,abraços meu amigo poeta....um belo dia pra ti....


p.s. não recebi o email...algo deve ter dado errado,,,,confirma por ai........(== evr.russo@uol.com.br ==)

Impulsiva disse...

Roubou meus pensamentos???
rsrsrs

Perfeito pra mim, perfeito para o meu dia que amanheceu cheio de saudade...como sempre adoro ler você!!

Beijos poeta...

Carlos Albuquerque disse...

Olá, xará!
É mesmo, a saudade é um abismo, mas o seu poema (lindo,como sempre) é uma ponte ligando as margens.
Você permite, estou certo, que lhe ofereça este poema do poeta moçambicano Mia Couto:

"Saudade

Magoa-me a saudade
do sobressalto dos corpos
ferindo-se de ternuras
dói-me a distante lembrança
do teu vestido
caindo aos nossos pés.
Magoa-me a saudade
do tempo em que te habitava
como o sal ocupa o mar
como a luz recolhendo-se
nas pupilas desatentas.
Seja eu de novo a tua sombra,
teu desejo,
tua noite sem remédio
tua virtude, tua carência
eu
que longe de ti sou fraco
eu
que já fui água, seiva vegetal
sou agora gota trémula,
raiz exposta.
Traz
de novo, meu amor,
a transparência da água
dá ocupação à minha ternura vadia
mergulha os teus dedos
no feitiço do meu peito
e espanta na gruta funda de mim
os animais que atormentam o meu sono."
(Mia Couto)
Um abração

Edna Lima disse...

Incrível ao abrir seu blog hoje!Acordei pensando sobre às vezes que fui ao pico do Ibituruna a pé, Fiquei com saudades da turma toda do bairro . É uma saudade não tão bonita como a sua.Mas valeu. Bjs conterrâneo. Edna

Felina Mulher disse...

O teu poema é lindo, mas o bom, é saber que logo logo vais matar a saudade que está quase te matando, que vais ver tua amada. O ruim da saudade é qdo sentimos e sabemos que não temos como ameniza-la. Mas tu sabes que ter saudades é bom?...as vezes fico com saudades de ter saudades.

Um beijo menino, linda tarde.

Sandra Botelho disse...

Estou sentindo igualzinho, essa dorzinha de saudade do meu amor...E olha que só tem dez dias que ele está fora.
mas parecem anos. Sinto falata do cheiro dele, pela casa, do sorriso, do olhar. Ah de tudo.
E dói, a saudade realmente dói demais.
Mas está chegando a hora e eu vou até ele, ve-lo e cobri-lo de beijos, Não vejo a hora.
Bjos querido e fica com |Deus

Carlos Albuquerque disse...

Xará!
Volto para dizer que hoje, finalmente, publiquei seus selos e desafio.
abraço

Lou a esquizoffrenica disse...

Carlos a saudade esse sentimento devorador que tempera e ajuda a definir o amor . Beijo espero que consigas matar logo essa saudade. Beijo.

♥*♥(franciete)♥*♥ disse...

Não tem coisa mais linda do que o amor de duas pessoas quando é conrrespondido, o vosso caso é dos que ainda se pode dizer vale a pena viver.
que Deus vos elumine amigo e tudo de maravilhoso para você.
Beijnho de luz em seu coração

Lianara Kerkhoff **Lia** disse...

Olá, Carlos!

Lindo poema!

"A saudade mata a gente"... ainda bem que temos coisas boas pra lembrar e pessoas especiais para sentir saudade.

Abraços

Lia♥

paula barros disse...

A saudade sempre dói.

Carlos, gostei da construção do seu poema, tão belo, e passa a dor da saudade, da vontade de acabar com ela.

abraço

Pelos caminhos da vida. disse...

Lindo o poema, mas mais lindo ainda vai ser o encontro com sua musa inspiradora.

beijooo.

IT. disse...

É por isso que precisamos dos poetas, são eles que tecem, fabricam palavras, em volta do tênue fio, que nos amarram, sobre o abismo. Eles sabem que nossos corpos moram um adeus, como dizia a nossa memorável Cecília Meireles; " tudo em ti era um ausência que se demorava uma despedida , pronta a cumprir-se"
IT.

Majoli disse...

Oi Carlos, saudade realmente é um abismo, mas pelo que percebi ela será saciada logo, que coisa boa.
Sua poesia é linda, seu jeito de amar é lindo.

Beijos meu querido amigo.