ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

ACABOU O POBREMA


( imagem endurancebrasil.com- google)
Refrescando a memória, tinha uma pendenga entre Marlene e genro, apelidado de Jeca, sobre qual forma correta de falar: problema ou ‘pobrema’. Apostaram uma galinha, eu fiquei até de juiz, mas o tal não concordou até conferir no ‘orélio’. Sábado, estava eu colocando minha ‘grande mochila’ no carro para viajar e ele passou, reto como um poste, sem olhar, quase nunca olha pra gente, dizendo. “A galinha é amanhã, hein?”. Desesperei-me e fui atrás dele.”Pôxa, Jeca. Deixa pra terça, vou viajar agora”. Não foi difícil, concordou logo. “Pra mim é até bom. Tenho uns fretes pra amanhã e estava apertado”. Combinado. Ainda perguntei de longe. “E aí, Jeca? Quem ganhou, você ou ela?”. E ele. “Calma, só na terça”. Acho que ela já sabia que perdera, só queria pagar a galinha. Essas pessoas podem ter todo tipo de ‘pobrema’, mas têm palavra também.
Passei o feriadão todo em Ipatinga, revi uns amigos e parentes. Mas sempre pensando na galinha. Estive na feira e ouvi um gritar. “Olha o quiabo, é pra acabar. Dois reais o quilo”. Já estava no lugar certo e corri lá, exigi que eu pudesse escolher. “Esse quiabo tem que ser especial, pois vai acompanhar uma galinha caipira encomendada faz quinze dias”. Acabei vindo na terça-feira mesmo cedinho, pouco mais de uma hora de viagem. Cheguei, fiz café e sentei na pedra na frente de casa. Gosto de ver as pessoas passarem. Lá vem ele com a carroça lotada. “A galinha é hoje, hein? Às dez pode ir pra lá”. Pedi que levasse logo o quiabo. Ansioso que estava cheguei em ponto. Estavam ele, Marlene, a filha e filho mais novo, dois primos deles e esposas, e mais três senhores, amigos deles. Moram na parte não asfaltada da rua e fizeram tudo no quintal no fogão à lenha. Ele não matou uma galinha, mas duas. Uma panela enorme com a galinhada . Outra com arroz branquinho e soltinho. Outra de angu. Outra de tutuzinho bem molinho. Uns pratos de batata comum cozida. Uns de banana frita. Uma panela de doce. E um monte de temperos. Mandei comprar cinco cervejas, eles também mandaram buscar umas. Tomou umas três pingas também com os demais. Queimei a mão um monte de vezes, pois, além de comer, gosto de ver fazendo comida, ficar provando a comida antes dela pronta. Então toda hora ia às panelas e punha na mão. No meio de toda a prosa, vi o ‘orélio’ na ponta de um dos bancos em que estávamos sentados e perguntei. “Afinal, Jeca. Quem ganhou: problema ou ‘pobrema’?”. Ele respondeu pondo a mão cheia de gordura na minha bermuda limpinha. “Pois ela ganhou. E você’ me salvou”. “Eu? Por quê?”. “Ora. eu ia apostar minha égua em vez da galinha. Quando você falou que o certo era problema, antes de consultar o ‘orélio’, não quis teimar mais. Eu pensei: Ele é um rapaz letrado, se está falando, é porque sabe, aí fiquei só na galinha mesmo. Uma galinha não me faz falta, mas minha égua, preciso dela”. Ri comigo. Duplo exagero. Letrado por causa de uma simples palavra e ela jamais tomaria sua égua. O danado ainda teve ousadia de emendar. “Mas eu vou continuar falando ‘pobrema’, porque é mais fácil de falar. Dá pra entender, não dá?”. Não tem como não rir. “Com esse não tem jeito, pensei”. Como bom juiz falei. “Sendo assim, eu como juiz, para encerrar essa discussão, declaro empate. Uma galinha gostosa dessa, não merece uma briga”. Todos concordaram e ouvi até um “aeeeeeeeê”. Por coincidência, a égua relinchou lá no pasto. Completei. "Estão vendo? Até a égua concordou Enfim acabou o ‘pobrema’. Ou não, né? Já que ele disse que vai continuar falando como bem quiser. E claro, passar na rua, em cima da carroça, cantando “NOITES TRAIÇOEIRAS”... bem assim, mas a seu modo único e particular... “entregue sua vida e seus ‘pobremas’. Só sei que comi galinha demais, estava muito gostosa, até levei um pouco pra casa pra comer à noite. Que carnaval que nada!

22 comentários:

Laurita disse...

Cuidado amigo Carlos, que a comer dessa maneira vai engordar p'ra burro!... Gostei dessa história. É bastante engraçada e se deu para comer e divertir ainda melhor. Beijos

Felina Mulher disse...

kkkkkk...se deu bem heim carlos. Tu descreveu tão bem o almoço que eu fiquei aki com água na boca imaginando o tutu de feijão, a polenta e a deliciosa galinha com quiabo.Bom, fora a tua bermunda limpinha, saiu td sem "pobrema" né?


Beijinhos moço letrado!

Sandra Botelho disse...

Vixi Vou fazer amanha minha boca se encheu de agua, amoooo galinha caipira com quiabo, angu, tutu rolando, delicia meu Deus.
Menino me fez lembrar quando eu era adolescente e ia pro sitio da minha tia, saimos a noite pegavamos um onibus velho que tinha um buraco no assoalho, mas o onibus ia só até a metade do caminho. Um dia inventamos de ir a noite e com chuva, eu como sempre nunca tive amigas, só amigos (vai entender , acho que é porque sou muito moleca) Então fomos 6 moleques e eu lá no meio, Mas o bendito onibus atolou, na serra. E quem disse que desatolava, quanto mais o motorista (que devia ter uns sessenta anos )tentava mais atolava.
Resultado, eu a mais encapetada, decidi que iriamos a pé mesmo.
Uma noite inteira andando no barro, na escuridão. Chegamos e para ninguem saber que tinhamos ido daquela forma resolvemos que iamos dormir no silo, que estava vazio.
Descemos e ficamos lá ddentro até de manha. Mas não acordamos a tempo, e eu só ouvi a hora que minha tia gritou: Menina vc não tem juizo mesmo, quando vai perceber que é uma mocinha e que não pode ficar andando com esses moleques.
Gelei, mas tudo bem passou. Bom minha prima não gostava de mim, dai vivia me humilhando, eu nem ligava adorava acordar de madrugada ajudar a tirar leite, tomar leite na teta da vaca, pegar uma caneca colocar chocolate e correr pro curral para por leite, Hum delicia.
Corria pelos pastos o dia todo, pegava os ovos no ninho, andava a cavalo, fora as artes neh?
Bom eu e minha prima apostamos quem conseguiria ficar mais tempo no chiqueiro( pasme) O cheirinho era dose, entramos no chiqueiro a tarde e o tempo foi passando, minha tia chamando e ela dizia não saio daqui...Acredite ganhei a aposta, fiquei lá até as sete da noite, o porco fez xixi em mim, tinhamos que ficar sentadas.
Ela perdeu a aposta.
E sabe o que apostamos?
Quem perdesse teria que se lambuzar de bosta de vaca.
Hehehehehe!!!!
Coitada,(coitada nada ela judiou muito de mim) Alem do mais peguei um saquinho enchi de bosta de vaca, cortei a ponta e escrevi o nome dela pelo quintal.
Ela já não gostava de mim, imagine depois.
Ah que se dane, não entro em uma aposta para perder, ainda mais pra ela.
Nossa que comentario texto,Rsrsrrs
Amei teu texto, e vc saiu no lucro, hum delicia heim.
Bjos querido. Desculpa se falei demais.
Sou como a emilia não posso abrir minha torneirinha de asneiras KKKKK
Mas é fato.

Sonia Schmorantz disse...

Uma linda semana para ti, é agora que o ano começa de verdade, rsss
abraço

*Adriana disse...

Olá, amigo escritor e poeta!!

Mais um ótimo texto, sempre bom passar aqui.
Olha, acabo de visitar tua linda Anita.

Abçs e ótima semana

Adriana

Sandra disse...

Vim lhe convidar para viajar comigo...Vamos viajar..
Está na hora do voo..
Local da saida: Curiosa
Endereço: Através do link.(AQUI)
Destino:Concurso de Poesia-Portugal.
Não se atrase...
Ficarei muito feliz com a sua companhia...Faremos uma linda Viagem..
Carinhosamente
Sandra

Mahria disse...

Bela maneira de se comemorar uma disputa, galinhada é tudo de bom. Boa história.

Beijos
Mah

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Bem gente.Esqueci de dizer.Teve uns tria-gostos também acompanhando. Saudadesde todos.Li todos os comentários durante todo o feriadão.
///
Oi,Laurita, não dava pra resistir, mas pode deixar, estou me controlando sim. E hoje recomeço as caminhadas. Preciso entrar em forma rápido.Mas eu perco peso fácil.Beijos
///
Estou achando que essa paraense queer virar mineira?Bermuda limpinha Felina,tinha acabado de vestir, mas não teve pobrema.Beijos
///
É ,Sandra. Desde nova mostrava suas garras. Ri de suas aventuras aqui.Tinha mesmo que virar poeta. E que aposta, hein?Topo não. Beijos
///
Que tenha ficado boa de saúde,Sônia. realmente, o Brasil só anda depois do carnaval. Beijos
///
Oi,Adriana. Voltando. Que bom.Obrigado.Beijos
///
Oi Mahria.Obrigado pela visita. Foi sim uma grande terça-feira de carnaval, onde o enredo foi simplicidade, bom humor, regada a algumas cervejas e uma galinhada. Volte sempre.Beijos

Secreta disse...

Um "pobrema" que afinal não foi problema nenhum :)

Everson Russo disse...

Gostei da imagem do post,,,bom essas brincadeiras na simplicidade das pessoas, elas levam mesmo a serio,,,rs,,rs,,,e quanto ao almoço....poxa,,,eu to com uma fome danada aqui,,,deu pra sentir o cheiro...rs..rs...abraços amigo poeta,,,uma bela quarta feira pra ti....

p.s.e só fazendo um adendo ao comentario que voce fez no Livro, voce matou a xarada, eu não sou uma pessoa adepta de carnaval, nunca fui, então no auge da folia, resolvi nos dias mais pesados falar de Deus,,,do espirito,,,tentar levar algo mais espiritual do que o amor humano que a gente sempre fala, acho que o resultado foi legal....abraços.

Maria Bonfá disse...

querido que bom vc de volta e essa historia de galinha me deu agua na boca... esta me devendo um almoço e quero igual esse que vc comeu.. beijão

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Claro que foi ótimo resultado, Everson. Se não me engano foi Gandhi quem disse: "Se você conseguiu transmitir sua mensagem de paz a uma só pessoa, você já melhorou o mundo". Sendo assim, você fez sua parte e seus leitores gostaram, como eu.

Sobre a galinhada, foi pra lá de divertido. Gente simples,tudo que a gente fala eles gostam, apesar de terem opiniões próprias também, como tal que viu que está errado,mas vai falar como quer porque é mais fácil. Nem chegou a ser uma briga como exagerei, mas havia uma dúvida, importante é que acabou numa terça gostosa. Um abraçao

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Pois é,Secreta. Uma terça gostosa, sem pobrema. Beijos

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Oi, Maria Bonfá.Como bom mineiro,adoro essas comidinhas. Pode deixar,está anotado. Beijos

Edna Lima disse...

"Eita probremão"!!!! Mas as comidas deliciosas.
Mas eu também nasci em Iapu. Se tornou cidade no ano em que nasci em 1949.Era comarca de Santo Estevão,aos 6 anos mudamos para Inhapim. Depois morei quase 3 anos anos em gov. Valadares,de onde fui para o Rio de Janeiro...Já sou quase cigana de tanto mudar, embora crio raízes por onde passo.
Coincidênciaaaaa!!!! Grande bj conterrâneo.Edna Campos.

Sandra disse...

olha sabe que fiquei com água na boca tbm rsrsrs

boa semana

forte abraço

Sandra Botelho disse...

http://gotinhasdeternura.blogspot.com/

Dá uma passadinha lá.
Meu blog de selinhos e promoções e em breve homenagens.
Bjitos

Majoli disse...

Ai como queria ter participado desse almoço, tinha tudo que eu gosto, até angu.
Sou filha de mineiros e fui criada comendo angu sempre, e crio meus filhos também assim e eles adoram.

Agora que o pobrema coninua sendo um problema pro Jeca, continua...mas valeu pelo almoço e pela reunião de amigos assim tão especiais, não é rapaz letrado?...rsrs.

Beijos meu amigo, adoro seus contos.

Rosa dos Ventos disse...

"Probremas" resolvidos assim ficam bem gostosos! :-))

Abraço

Bia Maia disse...

Até me deu fome de galinhada!

É sempre muito bom te ler! Como escreves bem!

beijos !!

Bia

Sandra Ribeiro disse...

Amigo, vim trazer meu carinho pra você, estou com o pé torcido, não posso ficar muito no pc!!!

Elzenir Apolinário disse...

Oi, Carlos, vc foi o primeiro a ganhar o pedaço de bolo.rs...Obrigada por participar da festa.Boa noite. Bjs