ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

sexta-feira, 24 de julho de 2009

VESTIAM BRANCO, MAS NÃO ERAM ANJOS ( contando um susto de fevereiro de 2008)

Abri os olhos. Tudo branco. Não, felizmente não era o céu . E mais felizmente ainda, não era o inferno. Lá não deve ser branquinho assim. Ouvi vozes. “ Ele já fez o eletroencefalograma?”. Percebi que estava num hospital. Tentei levantar a mão para esfregar os olhos, mas senti uma fisgada no braço. Alías, várias, ele estava todo furado. Detesto injeção. Duas moças vieram rápido e seguraram meu braço. “Não faça isso. Vai arrancar o soro e se machucar”. Vestiam branco, mas não eram anjos. Eram enfermeiras. Perguntei. “Por que estou aqui?”. Uma respondeu: Você estava com forte dor de cabeça. Um amigo trouxe você. Chegou mal”. Fechei os olhos, me lembrando. Tive uma dor terrível, tomando todo um lado da cabeça, meus olhos lacrimejavam de tanto que doía, pensei que ia morrer. Vinha doendo há uns dias, mas não dei importância. Agora me sentia bem, só um pouco grogue, acho que estava sedado. Pedi meus óculos, daí uns minutos uma delas trouxe para mim. Fico inseguro sem eles. Ficaram ali conversando e trabalhando. Certo momento, falei. “Gosto de enfermeiras”. Uma delas, a mais bonitinha estranhou, talvez pensando que eu estava dando uma cantada barata tipo , “você vem sempre aqui?”. Uma mais velha que parecia ser a chefe completou. “Ah, já sei... fantasia”. Ri. “Que é isso, gente? Meninas maldosas. Depois dizem que homem só pensa naquilo. Disse que gosto de enfermeiras porque cuidam de gente, e eu gosto de gente que cuida de gente.”. Uma terceira, ironizou: “Mas você não está precisando de enfermeiras. O fone não para de tocar de gente querendo saber como você está. Já está bem cuidado pelo jeito”.
Felizmente os exames não deram nada, foi só um stress agudo e um grande susto. Afinal cinco anos sem férias, seis meses sem um único dia de folga e ainda 13 horas por dia, somados a dias de insônia, só podia dar nisso. No terceiro dia, como estava só em observação, aguardando resto dos exames e alta, acabei virando uma espécie de auxiliar delas em pequenas tarefas, sem riscos, claro. Coisas do tipo: Tocar a campainha quando um senhor idoso acordasse. Ajudar a pegar uma caixa de remédios. Uma disse. “Um paciente assim é bom demais”. A outra. “É... apesar de ser teimoso, não obedece a gente, não para quieto, anda dia todo e dá trabalho pra tomar remédio, parece criança... mas é gente fina”. Quando fui liberado, dei tiau a todas agradecendo e elogiando. “Obrigada! Mas é nossa obrigação”. Discordei. “Obrigação, mas tem que ter dom”. A mais velha disse. “Se cuida, meu rapaz. Você deve ser muito querido para ficar doente”. Quando ia sair na porta, virei-me e elas estavam me olhando. Achei engraçado isso. Evidente que depois me cuidei sim, tomei os remédios, segui recomendações do médico. Minha cabeça nunca mais doeu. E tenho dormido muito bem. Foi mesmo só um susto.
Quando cheguei em casa fui ao pequeno escritório e a folha branca ainda estava sobre a mesinha, onde deixei quando passei mal. Parecia estar esperando que eu destilasse poesias. Pedi-lhe desculpas , que desse um tempo para minha cabeça cansada. Deixei-a sobre a mesa por uns cinco dias, mas ela não me deixava quieto, ficava me namorando. Acabei escrevendo:

FOLHA BRANCA

Olho a mesa... e ela está vazia.
Ou quase.Vejo uma folha branca.
A me namorar ou a me interrogar?
O que pede uma folha branca
sobre a mesa olhando para mim?
Que eu revele minh’alma como um réu,
conte meus amores,
fale de um passado que é só meu
ou do futuro que vem do céu?
Que eu fale da infância,
do arco-íris que escondia o pote de ouro,
dos sonhos frustrados e vindouros?
- Ora, folha branca! És tão indiscreta!
O coração é uma mina secreta,
não se abre todo dia.
Não sabes que o poeta é tímido
até para falar de alegria?
Não é medo, nem máscara.
É só um jeito de ser.
E se o vento te levar por aí
contando tudo que eu escrever?
Desculpa-me folha branca.
Hoje não tenho nada a dizer.

21 comentários:

regina disse...

Linda a poesia (Folha Branca) me emocionou Anjo Poeta, Homem menino.
Papai do céu abençôe esse teu dom
essa tua energia "azul",pra que vc
continue se sentindo atraido pela folha branca e dessa forma continue nos encantando . Vc é muito especial meu amigo.

RICARDO LEMOS disse...

Salve, Carlos.
Passando pra devolver a visita e agradecer o comentário.
E responder...rsrs
Que é sempre hora de pensar em acento, afinal de contas, o bom uso da língua é fundamental...rsrs
Adorei a FOLHA EM BRANCO...
E mais ainda o fato de vc não a ter deixado assim...
Quanto menos temos a dizer, mais deliciosas se tornam nossas letras.
Parabéns!!!
Grande abraço!!!
PAZ!!!

(Carlos Soares) disse...

Obrigado, Regina,pelo carinho. Volte sempre

Faces de Mulher disse...

Sua folha nunca ficara branca...
Sempre estará espetacularmente recheada de palavras lindas...
Tens o don da escrita...
Amei tudo o que li aqui...
Espaço recheado de encantos literários...
Lindo dia!
Chrys

Fatima disse...

Também não gosto de hospital não.
Lindo poema querido!
bjs.

Gleidston disse...

belíssimo sua poesia, o relato do texto acima, nos faz refletir sobre a nossa vida,
O stress,ansiedade,enfim muitos exemplos a ser tirado da sua experiência,parabéns Carlos.

Deselho-lhe a si um otimofim de se mana.

*obrigado pela visita, assim tive a oportunidade de conhecer mais um belo recanto de belas poesias*

Abraço!

Majoli disse...

Seu relato sobre seus momentos no hospital mostra o interior bonito que você tem, e ainda bem que não eram anjos né?...rs

Que linda poesia "Folha Branca", gostei por demais.

Beijos meu amigo.

Sandra disse...

Vim através do blog do Edu.
Lindo o seu poema que fala, sobre a folha branca.
Quanta coisa poderemos fazer com uma folha em branco.
Milhôes de versos, poesias.
Tudo para falar de amor.
Lindo.
Sandra

Princesa disse...

Bolas que susto amigo
seu poema é lindo
“A amizade é um bem ao alcance de todos. Saiba investir nas pessoas à sua volta. Os amigos valem mais do que verdadeiras preciosidades.”


Um enorme...


0000000__________000______000000
00000000_________000_____000__000
000___00_________000____000____000
000___00_________000____000____000
0000000__________000____000____000
0000000____000___000____000____000
000___00___000___000____000____000
000___00___000___000____000____000
00000000____0000000______000__000___000___000___000
0000000______00000________000000____000___000___000
Bom fim de semana...

Intimo e Pessoal disse...

Olá, amigo poeta. Neste blog, que uso sem moderação, autorizada pelo autor, agora além de ler suas poesias e conhecer mais e mais a pessoa que é o poeta também estou com uma pontinha de inveja desse amor entre o poeta e sua amada Anita. Não, não precisa se benzer, rs, é inveja boa.

Abçs
Adriana

(Carlos Soares) disse...

Amiga,Adriana.Tenho certeza disso.E venha sempre, tá bom?bjs

Elaine Barnes disse...

Faço minhas as palavras da "face de mulher" Realmente seu bom uso da lingua nunca deixará uma folha em branco. Obrigada pela visita. Nunca pensei dessa forma. Será????
rs... bjs migo

* Fada * disse...

*Carlos ... teu comentário me

fez SORRIR e eu precisava -

muito !!! - disto hoje !!!

*Muito obrigada !!! *

*Um abraço.

Solange Maia disse...

Carlos,

Também gosto de gente que cuida de gente.. e podem estar de branco ou de colorido...rs....

Beijo carinhoso,

Solange

http://eucaliptosnajanela.blogspot.com

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Carlos,

Homem que sabe ser o bom menino nas atitudes louváveis. Isso é fantástico!

E a casa é de vocês, viu? As portas estão escancaradas para o casal mais lindo do meu coração.

Que seu final de semana seja de luz!

Rebeca

-

Maria Emília disse...

Olá amigo,
Terá servido de emenda o susto que apanhou. A gente abusa, não se cuida e depois... dizemos que a vida nos prega partidas.
Um abraço,
Maria Emília

Sonia Schmorantz disse...

Eu penso que uma folha branca em cima da mesa, não interroga...ela desafia mesmo!
Lindo domingo
abraço

Sandra disse...

Fiquei muito feliz com a sua visita.
Muito obrigado.
Sempre que puder as portas estão abertas para vc.
Com carinho
Bom final de semana.
Sandra

(Carlos Soares) disse...

Obrigado.Todas vocês sao uns amores. Sinto-me cuidado. Não sumam que sinto falta

Deusa Odoyá disse...

Olá meu amigo e estimado poeta.
Que poesia linda, podes crer que a sua folha branca nunca ficará vazia
Esse seu relato, nos faz pensar mais en nossas vida.
Felicidades a esse casal lindo e enamorado.
Beijinhos doces da amiga.
Regina Coeli.
Fiquem na paz desse amor completo.

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

A qualquer hora em que chegares,
sentarás comigo à minha mesa.
A qualquer hora em que bateres a minha porta,
o meu coração também se abrirá.
A qualquer hora em que chamares,
eu me apressarei.
A qualquer hora em que vieres,
será o melhor tempo de te receber.
A qualquer hora em que te decidires,
estarei pronto para te seguir.
A qualquer hora em que quiseres beber,
eu irei a fonte.
A qualquer hora em que te alegrares,
eu bendirei ao Senhor.
A qualquer hora em que sorrires,
será mais uma graça que o senhor me concede.
A qualquer hora em que quiseres partir;
eu irei à frente nos caminhos.
A qualquer hora em que caíres,
eu estenderei os braços.
A qualquer hora, em que te cansares,
eu levarei a cruz.
A qualquer hora em que te sentires triste,
eu permanecerei contigo,
A qualquer hora em que te lembrares de mim,
eu acharei a vida mais bela.
A qualquer hora em que partires,
ficarás com a lembrança de uma flor.
A qualquer hora em que voltares,
renovarás todas minhas alegrias.
A qualquer hora que quiseres uma rosa,
eu te darei toda roseira.
Eu te digo tudo isso, porque não posso imaginar
uma amizade que não seja toda,
de todos os instantes e para todo bem.

by: Cid Moreira

Desejo uma linda semana com muito amor e carinho.
Abraços
Eduardo