ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

terça-feira, 7 de julho de 2009

EU PREFIRO DIZER: OLÁ


( "Quem é esse Homem que até as águas o respeitam?". fonte Bíblia)
Sei que essa postagem vai levantar alguma polêmica, mas desculpem-me os que se sentirem ofendidos, não quero ofender, mas para algumas coisas sou chato mesmo. Até minha mãe fala que sou um bom menino, mas sou muito chato. Incrível como as pessoas ouvem as coisas nas ruas e principalmente na tv e saem repetindo, só porque parece bacana. Agora a moda é NAMASTÉ. Respeito o povo indiano e suas tradições, mas quer saber? Eu não estou nem aí. Não que eu despreze, é porque cultura e tradições estão no mundo todo. O Egito tem uma história linda. A Grécia então com sua mitologia. E até o Brasil. Algo mais lindo que o folclore brasileiro? Alguém conhece a lírico-romântico-sensual lenda do boto cor-de-rosa? Por isso eu digo que não estou nem aí. Todos dizem que os americanos são um povo arrogante, mas em uma coisa preciso me render a eles: como são patriotas! Lampião, se fosse americano, nas mãos de Hollywood viraria campeão de bilheteria. Como foi com Bonnie& Clide, Jesse James e outros. E no Brasil todo mundo está dizendo NAMASTÉ nas ruas. E mais, fica um povo brasileiro miscigenado e misturado religiosamente, repetindo uma expressão que nem conhecem. Ah é fácil, é só ir ao google e procurar o significado. Eu fui.A expressão quer dizer: Namaste ou namaskar vem do sânscrito que significa. (sic) “O Deus em mim saúda o Deus em você”. É a forma mais popular de cumprimentar na Índia. Essa expressão tem origem na crença de que todos são essencialmente divinos, cabe apenas a cada um despertar essa divindade latente. Com esse cumprimento, é a nossa essência divina que está reverenciando e não o nosso ego”. ( fonte GLOBO. COM). Como não reverenciam o ego se há pessoas nesta cultura ou religião, que são intocáveis? Pelo pouco que vejo na novela é isso que parece. Desculpem-me, mas se alguém é intocável, para mim ele não serve. E daí? Fui lá e peguei a explicação literal da expressão que não tem nenhuma ligação com nossa gente. Mas e a essência? Eu peguei o teor? O verdadeiro significado? Não. Mas vou andar repetindo porque a televisão está mandando. E o pior, gente de meu convívio também anda repetindo. Como diz uma música antiga dos Titãs: “a televisão me deixou burro, burro, burro demais”. Eu também vou andar repetindo, porém outras: SHALOM, HALLELUJAH, EMANNUEL. Viram? Expressões diferentes de civilizações e religiões diferentes. Acontece que sou muito mais chegado a um: “Olá, amigo. Deus o abençoe. Dê-me um abraço. Pegue na minha mão”. Quer uma saudação mais calorosa que um abraço? Sou um católico, religião monoteísta, onde há um Ser supremo e todos somos criaturas desse Ser. Não existem Deuses na terra. Cuidado. O diabo tem muitas faces. O diabo é lindo. Ele jamais vai mostrar seu verdadeiro rosto. Não sou aquele perfeito cristão, reconheço isso, mas sou um pesquisador e leio a Bíblia também de vez em quando, onde diz: “Cuidado com falsos profetas”. “Não pratiqueis o ocultismo”.
Acabei me desvirtuando um pouco do assunto, indo para a religião. O tema é vasto e não quero me alongar, mas me dói ver o povo brasileiro tão alienado. Todos os meus ídolos( odeio essa palavra e acho que eles também), seja na música, literatura ou no cinema, me passaram a ser eu mesmo, a não seguir modismos. Praticar o ego, não o egoísmo. Não confundam com materialismo. Falo de valorizar-se. Compreender o seu EU, amá-lo, sabendo de seus defeitos e enaltecendo suas qualidades próprias. Essa é a forma doce de egoísmo. E assim despeço-me com minha saudação preferida: Um abraço a todos. Fiquem com Deus. Essa eu entendo.
Em tempo: Alguém conhece a miséria em que o povo indiano vive? Ah não, esqueci. A tv não pode mostrar. Só o luxo.

13 comentários:

beatriz disse...

Essa é boa, é forte, mas com todo o sentido, se alguém estiver em desacordo eu estarei a seu lado para lhe dizer proclame amigo a sua palavra até que a vóz lhe dôa.
Eu estou assistindo cá essa onda mas é porque gosto demais das novelas brasileiras, não perco uma, amo esses actores e actrizes mas me revolta essas cenas de repudio pelo ser mais inferior, inferior,para eles porque para mim são seres que só tiveram a pouca sorte de terem nascido sem dinheiro. Eu acho uma verdadeira ofensa há humanidade mas muito havia para se falar deste assunto mas ficamos só por aqui .
Beijinho amigo em seu coração e venha de lá esse abraço gostoso

Mentuhenhat disse...

Namasté, Carlos!...

Um dia um mestre ensinou-me algo importante: "Não podemos dizer que encontramos a Deus se não nos tivermos encontrado a nós próprios!"...
Embora muitas pessoas aí no Brasil não estejam conscientes do verdadeiro significado da palavra "Namasté", o simples acto de a utilizarem para se cumprimentarem e desde que se sintam felizes no seu interior, estão a enaltecer as suas chamas divinas, deixando-as felizes...
E se elas estão felizes, isso é tudo o que importa...
Antes o façam assim, com um sorriso no rosto e no coração, do que com consciência plena da mesma, e envoltas nas sombras...
Encontrar Deus, em cada pequeno gesto, é sempre tão bom... Mesmo que seja apenas através de um palavra que soa bem...

O meu Abraço de Luz!

(Carlos Soares) disse...

Olá. Todos são livres para opinar aqui. Não são obrigados a concordarem comigo. Eu até gosto que discordem de mim. Gosto de gente de opinião própria, até porque não sou dono da verdade. Me fazem bem dando sua opinião. Trato o elogio e a crítica com a mesma atenção.Abraço a todos.

(Carlos Soares) disse...

Obrigado,Beatriz. Eobrigado também ao Sr Mentuhenhat. Que bom, opiniões contrárias e a favor do que eu disse. Mas,é isso que eu disse.Todos com opiniões próprias. Beatriz pegou bem o que eu disse

Fatima disse...

Nossinhora!
O assunto hoje é bem polêmico né?
Acho que vou deixar só um beijo pra vc.

Úrsula Avner disse...

Olá caro poeta, agradeço sua gentil visita e comentário. Quanto ao conto, terei o maior prazer em ler e opinar a respeito. Espero ser útil nesse sentido. Só não gostaria de tornar meu e-mail visível aqui no blogger. Se voce puder me eviar seu endereço de e-mail, entrarei em conatato e lhe enviarei o meu. Um abraço.

Cantodomeucordel disse...

Um texto inteligente, lúcido e criativo que deveria ser lido nos grandes jornais brasileiros para que o povo deixe de ser tolo o bastante para andar repetindo essa saudação indiana que, realmente, foge totalmente aos padrões do Deus único e onipotente.

Obrigado por suas palavras no meu blog. Informo que também tenho outro espaço na net, outro blog: http://gilbamar-poesiasecronicas.blogspot.com/
Convido-o para conhecê-lo.

Grande abraço poético.

Maria Emília disse...

Olá Carlos,
Aceito o seu incómodo face a determinadas palavras ou expressões que importamos de outras religiões e outros povos quando a nossa língua é tão rica e com vocábulos cheios de significado.
É moda e quem quiser que a siga. Cada um segue da moda aquilo de que gosta e acha bonito. A mim não me incomoda. Simplesmente não sigo.
Obrigada por estar a seguir o meu blog. Não conhecida o seu, mas vou passar a vir aqui com regularidade para passar a conhecer melhor.
Um abraço,
Maria Emília

Sonia Schmorantz disse...

Entendi perfeitamente, estes modismos e a mania de adotar outras culturas, como se a própria não desse status. A questão é cultural.
abraço

Anita (Menina-Flor-Mulher) disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anita (Menina-Flor-Mulher) disse...

Concordo com vc meu amor, temos mais é que valorizar nossa cultura, que é tão rica e tão esquecida por nós.

Bjs carinhosos!

Solange Maia disse...

Carlos querido...

Concordo... mas é um tema polêmico...

Gostei quando disse que uma bela saudação oferece um abraço... essa é a real força dos "encontros", pouco importa o jargão a ser usado : é o amor....
E o amor tem mil nomes...

O sntimento por trás é que o faz (ou não) ser real !!!

Beijo grande,

Solange

http://eucaliptosnajanela.blogspot.com

José Carlos Brandão disse...

Fórmulas, fórmulas. O humano se encontra com o humano - se tiver algo de divino, melhor. Todos escondemos o lixo debaixo do tapete - mas ostentemos o que temos de melhor. "Pobres sempre haverá" não é desculpa para a ambição desenfreada, e o desnfreado aumento da pobreza, desde que nos locupletemos. O abraço, se é uma fórmula, é a melhor das fórmulas: união humana. E por que mostrar tanto o exterior? Não outra forma de vender novela? E por que essa mania, esse complexo de vira-latas Nnelson Rodrigues)de achar que tudo fora é melhor, que brasileiro só faz errado?
Deus te abençoe e - um grande abraço.