ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

O DIA EM QUE FUI CONDENADO


De onde estava, pude ouvir rumores de uma pequena multidão. Pareciam esperar alguma espécie de comemoração, estavam alvoroçados. De sandálias franciscanas pude sentir o chão molhado. O lugar fedia. Eu tinha os olhos vendados, as mãos amarradas para trás. Tentei ouvir alguém próximo de mim, mas estava só. Com o corpo fui tentando descobrir onde estava. Pelo pouco espaço disponível senti que o cubículo parecia uma cela. Fui encostando, me esfregando sem camisa e pude sentir paredes ásperas, mal acabadas, até que esbarrei em barras de ferro. Sim, era um cela. Mas o que eu fazia ali? O que eu teria feito que não me lembrava? Gritei várias vezes: “Tem alguém aí?. Socorro! Por favor, alguém pode dizer por que estou aqui?”. Nada. Só o eco respondia por aqueles corredores. Agachei-me, tive vontade de chorar. Levantei. “Não, chorar não. Chorar é para momentos felizes, emocionantes”. Momentos difíceis é hora de lutar. Mas lutar contra quem ou o quê? Gritei ainda várias vezes sem resposta. Não sei o que incomodava mais. As amarras que doíam cada vez mais que tentava me livrar, a venda nos olhos ou a falta de alguém para me explicar o que eu fazia ali. Muitos minutos depois, ouvi passos firmes, pesados. Pareciam dois. Ouvi barulho metálico como se fossem armaduras medievais. Barulho de chave abrindo a porta. Um disse: “Vamos. Está na hora”. Tiraram-me a venda. Eram mesmo soldados medievais. Olhei em volta, ao fundo... à frente. Eu estava numa masmorra escura e fétida. E foram me levando, um de cada lado. Perguntei desesperado: “Para onde vão me levar? Por que estou aqui? O que fiz?” Sem resposta, eram treinados para não falarem com presos. Preso, eu? “Por quê? Por quê?”. Perguntava insistentemente. No trajeto por aquele grande corredor olhei outras celas, mas todas vazias, pelo menos pareciam, pois estavam escuras. Subimos uma pequena escada. Quando chegamos a um grande pátio, o sol me cegou. Com dificuldade fui abrindo os olhos. Os soldados, brutos, praticamente me arrastavam. Ainda pude ver na torre da igreja o relógio marcando 08:00h... sabe-se lá de que dia. Mas agora também não importava, pois vi que eu era um condenado. Eu ia morrer. Só não sabia por quê. A pequena multidão quando me viu apupou, deu vivas, gritos diversos e assobios. Me levaram por fora, por uma passarela separada por um alambrado, até o patíbulo. No centro dele, um mastro e uma corda... uma corda esperando um pescoço. Ou mais um. Numa velha cerca do lado direito, os abutres. Até os abutres sabiam do que ia acontecer. Tudo parecia combinado e já iam disputar cada pedaço de minha carne. Minhas mãos que tantas coisas boas escreveram. Meus olhos que tantas coisas lindas viram. Meu cérebro. Meu coração. Os soldados se afastaram. O carrasco, homem sinistro, vestindo roupas longas e negras, encapuzado, personificando a própria morte, se aproximou e disse com voz sombria: “Calma que vai dar tudo certo”. Certo pra quem? Para os que condenam? Um senhor de barbas longas, o chefe da execução, se aproximou também e disse: “Você pode fazer seu último pronunciamento, mas seja breve. Estamos atrasados”. Seus olhos frios me cortaram, me olhando de forma desprezível. Pediu silêncio com a mão à multidão presente e se afastou para o lado esquerdo. Pensei de novo em chorar. Chorar não. Não se deve chorar perante os inimigos. Deve-se chorar perante os amigos. Os amigos te abraçarão, os inimigos rirão.Respirei fundo. Então gritei bem alto, alto mesmo para me fazer ouvir para que pelo menos alguém da platéia pudesse me responder. “Vocês já me condenaram. Eu só queria saber o que foi que fiz?”. Silêncio total. Olhei para o lado esquerdo, o chefe acenou positivo com a cabeça para o carrasco. Ele colocou um capuz na minha cabeça. Fechei os olhos para receber o beijo da morte.
Quando senti a corda me roubando o ar e dobrando meu pescoço... ACORDEI! Que susto! Dei um pulo na cama. Reparei agora o relógio da parede, mas agora era do meu quarto. 08:00h também, mas na minha cama confortável. Tudo não passou de um pesadelo terrível. Minhas costas e rosto suados apesar do ventilador e da janela aberta. O sol me cegou de novo, mas agora era um sol amigo. Levantei-me, molhei os pulsos, o rosto, tomei água gelada e deitei-me um pouco de novo para que a respiração chegasse no lugar.
Tive esse pesadelo há muitos anos. Na verdade foi o prenúncio simbólico de uma condenaçao a que fui sujeito. Fui considerado 'culpado'. Felizmente teve a segunda parte. Jamais esqueci esse sonho ruim que também me levou a uma reflexão.
Quantas vezes condenamos as pessoas sem lhes dar ao menos um direito de explicação? Ou as condenamos por algo que também fazemos? Quantas vezes falamos mal de alguém que passa na rua? Quantas vezes não damos a alguém uma segunda chance e queremos para nós todas as chances possíveis? Às vezes gostamos de ser o chefe da execução e olhamos de forma desprezível a alguém angustiado que pede perdão. Às vezes, gostamos de ser o carrasco. Às vezes damos até a corda. E às vezes somos os abutres. As hienas que riem da desgraça alheia. É muito bom ser carrasco, mas péssimo ser condenado. “Não faças aos outros, o que não queres que te façam”.

36 comentários:

Maria Emília disse...

Sonho bem real aquele que nos descreve. Condenado sem saber porquê. Quantas vezes durante o dia condenamos em pensamento, por palavras e até por atitudes, pessoas do nosso Mundo, que não fazem a mínima ideia da razão porque estão a ser culpadas. Há que contar até 10 antes de fazermos qualquer juízo de valor.
Maria Emília

Anne Lieri disse...

Carlos,que pesadelo medonho!Seu texto ficou excelente,como sempre!Cheio de suspense,eu adorei!Não achei a poesia das letrinhas,poderia me mandar por email?Gostaria de postar em meu blog.Meu email é annelieri@terra.com.br.Obrigada!Abraços,

Elaine Barnes disse...

Oi Amigo! O selo é o do post mesmo, superior scribbler. O desenho do escritor.
No final do post estão as indicações
http://amigosemimosdacoruja.blogspot.com/2010/01/selo-premio-superior-scribbler.html#comments
Voltarei para ser o post de hoje com atenção. bjão

Ricardo Calmon disse...

AMADO MININU BEIJA FLOR,POETA NOSSO CARLOS SOARES,POST ESSE,PARA LER E RELER,SUGAR E SORVER,ASPÍRAR E RESCENDER,PENSAR,REPENSAR E MEDITAR E REFLETIR,TU ÉS ESCRIBA,MI ENSINAS???A NEÓFITO TEU SER!?????????????????????????
BZU NAS MÃOS E ALMAAAAAAAAAAAAAAAAA


VIVA LA VIDAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Ricardo Calmon disse...

AMADO MININU BEIJA FLOR,POETA NOSSO CARLOS SOARES,POST ESSE,PARA LER E RELER,SUGAR E SORVER,ASPÍRAR E RESCENDER,PENSAR,REPENSAR E MEDITAR E REFLETIR,TU ÉS ESCRIBA,MI ENSINAS???A NEÓFITO TEU SER!?????????????????????????
BZU NAS MÃOS E ALMAAAAAAAAAAAAAAAAA


VIVA LA VIDAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Felina Mulher disse...

Moço de Deus, a mensagem que vc passou é linda,mas pelo amor de Deus, me faz um favor, volta a dormir e vê se consegues continuar este pesadelo, pois fiquei aki morrendo de curiosidade pelo desfecho...fazia tempo que um texto não me prendia tanto....Parabéns!!!

Beijos meus pra ti.

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Sim,Maria Emília. Não julgar para não ser julgado

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Amigo, Ricardo Calmon.Semore mui carinhoso. Obrigado,amigão. Você sim, um grande escriba e preovupado com as causas sociais.Um abração

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Felina.A segunda parte foi ao vivo.Primeeiro vivi a situação do pesadelo de forma, diria real, como eu disse o sonho foi um prenúncio simbólico do que passaria meses depois. Fui martirizado por algo... bem vou contar ainda e lhe aviso.Só adianto que um amigo,do peito mesmo,me mostrou onde eu teria errado e acabei concordando com ele. Se tiver tempo farei ainda hoje a segunda parte, senão segunda-feira. Sempre pensei contar isso aqui, mas não tinha coragem. Mas ja´ que vivo dizendo que sou autêntico e intenso, não posso deixar de contar.Beijos

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Obrigado,Anne.Beijão

~❤ ~º♥º ~Graciete ~º♥º~❤ ~ disse...

Amigo confesso que me prendeu a respiração do principio ao fim, que loucura de sonho ou pesadelo,sim pesadelo porque os sonhos são mais leves.
Ou talvez isso tenha sido a recordação de uma vida passada, seja o que for o mais importante é que contudo nos deu uma lição.
NÃO FAÇAS AOS OUTROS O QUE NÃO GOSTAS PARA TI!
Beijinhos de luz nessa alma iluminada.

Elaine Barnes disse...

Esse pesadelo está carregado de símbolos e eles são seus. Tem pesadeos que a gente nunca esquece,fazem parte já do nosso consciênte né?! Penso assim também, quando algo me incomoda em alguma pessoa,antes de julgá-la,mesmo aborrecida,procuro em mim o porque me incomodei. Com certeza encontro algo que na essencia está em mim,não na atitude, o buraco é sempre mais embaixo,as vezes não vejo em mim por estar bem oculto,mas, que encontro algo semelhante com certeza.Por isso vejo as pessoas como extensão de mim,algumas precisamos educar,outras aprender,ainda brigar se for preciso,mas, sempre numa maneira de estarmos ajudando a nós mesmos a crescer. Adorei amigo. bjão!

Wanderley Elian Lima disse...

Meu amigo, quanta imaginação, o texto ficou ótimo mas o final com aquela reflexão sobre o nosso comportamento precipitado, fechou com chave de ouro. Parabéns.
Grande abraço

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Sim Graciete.Só seu que acordei todo suado e mais, parecia real demais.Fiquei vários dias impressionado e até com medo que acontecesse algo.Beijos
///
Sim, Wanderley.Sempre nos precipitamos nos julgamentos, ou melhor, nem devíamos julgar. Um abraço.
///
Sim Elaine.E acompanhou sim por muito tempo.Beijos

HSLO disse...

Nossa...que texto, viu.

Luciana P. disse...

Oi, Carlos, sonho, loucura, sofrimento, dor, tudo isso passa pela cabeça ao ler este texto...
Você tem toda razão na sua reflexão: "E às vezes somos os abutres. As hienas que riem da desgraça alheia".
É pura verdade, quantas vezes não somos nós os julgadores, os inquisitores, a consciência alheia... Isso, além de ser feio, é deseducado, é invasivo, odeio isso.
Tão bom seria se crescêssemos, não é?
Se parássemos de julgar os outros e deixássemos a liberdade de cada um bem à vontade.

òtimo post!

Beijos pra ti

Anita "Menina Flor" disse...

Com certza, um texto muito interessante, cheio de suspense. Ainda bem que foi apenas um pesadelo, não quero meu bem passando por isso d novo rs.

“Não faças aos outros, o que não queres que te façam”. Concordo plenamente.

Bjs amore.

Reflexo d Alma disse...

Ei!
Passando como de costume pra te ler..
Bjins entre sonhos e delírios

rosa-branca disse...

Olá Carlos, eu acho que em alguma situação foi você que se condenou a si próprio por isso foi sonhar com a condenação. Beijos

Meus Reflexos Contos e Afins disse...

Estou sempre aqui
como Reflexo d' Alma,
criei esse outro espaço,
vai la conhecer?
Bjins

Lorena Lima disse...

Olá!!!
Achei seu blog muito interessante.
Estou segui-o, caso goste do meu tbm, fique a vontade para segui-lo também.

http://loreniitaahh.blogspot.com/

Um abraço carioca,

LL

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Oi,Rosa-branca.Posso dizer que você quase adivinhou.Chegou muito perto.Estou pensando num jeito de contar, talvez nessa semana.Beijos
////
Oi,Reflexos,Vou lá sim,prometo.Bejos
////
Claro, LOrena.Será um prazer e obrigado por me seguir.Beijos

Sandra Botelho disse...

Puxa!!!
Não consegui tirar os olhos e nem desviar o pensamento.
Magnifico!
Olha você bem disse, quantas vezes somos fazemos o papel de excutores, quantas vezes condenamos pessoas por erros que são nossos tambem.
Sabe eu nunca julgo ninguem, nenhuma atitude, nenhum erro nada.
Acho que cada um é senhor de suas decisões e de sua vida.
Somente Deus pode saber o que se passa no coração e na alma de todos nós, então somente ele tem esse direito.
Se julgo e condeno alguem hoje, como posso garantir que amanha não cometerei o mesmo erro, e ai?
Aceitarei ser julgada?
Dia desses li um post falando sobre infidelidade, em que o autor condenava e detonava a autora de tal "delito".
E se amanha ela fizer o mesmo, somos passiveis de erro, e mudamos a cada amanhecer...
Somos pó não é?
melhos nos atermos aos nossos proprios delitos, que já não são poucos.
Adorei teu post.
Bjos meus e um lindo sabado!

Everson Russo disse...

Meu amigo,,,eu já estava agonizando com voce aqui,,,rs,,rs,,rs,,,que sonho louco,,,que historia é essa? sabe o que voce me fez lembrar? duas coisas,,,uma, besteira,,,lembra de um antigo comercial em que o cara ia pra força, ou algo parecido, e o carrasco perguntava,,,qual o seu ultimo pedido,,,, e ele respondia,,,um fia 147...rs..rs..rs..rs...nós que somos quarentões lembramos disso...rs..rs..rs..e outra,,,voce me lembrou "Metal Contra as Nuvens", a guerra medieval de Renato Russo,,,conhece? eu já estava esperando pela parte assim,,,,"...Não me entrego sem lutar, tenho ainda coração, não aprendi a me render, que caia o inimigo então..." que viagem,,,voce sempre dando show...abraços e otimo sabado pra ti...

ஜ♥_Karolina_♥ஜ disse...

...e é tão fácil condenar. Difícil mesmo é olhar o lado do outro e procurar entendê-lo. Mas dá na mesma, porque sempre q condenamos alguém nós também somos julgamos para o mal. Agora ou depois.

paula barros disse...

Carlos, fui lendo o texto e uma curiosidade enorme me tomava, para saber do que se tratava. Ao mesmo tempo apreciava a sua forma de escrever, acho que ela sempre flui, prende a atenção.

Sonhos...eles sempre tem algum significado.

E o paralelo que você faz do sonho com a vida, as reflexões que nos deixa sempre são importantes.

abraço

Cris disse...

E a vida, sempre sábia, apontando pras mudanças que nossas almas precisam, pra crescer. Comecei a ler seu texto e senti uma necessidade de terminar por conta da sua aflição, mas não conseguia tirar os olhos das palavras. Você escreve muitíssimo bem e nos carrega nos braços pro objetivo principal do texto. Parabéns!

Srta Butterfly disse...

Nossa que sonho heim...
Mas sabes que enquanto lia, fui senitndo o desespero de ser condenado sem nem saber o que fez, fui senindo o apertar do peito o secar da garganta e depois no final quanto destes a explicação, fiquei aqui a pensar e ver que mesmo eu quantas vezes não dei o meu próprio parecer, quantas vezes não julguei e condenei, sem nem buscar provas, sem nem querer buscar se relamente tinha fundamento tais acusações, e quantas vezes não condenei mais ajudei a condenar e doeu lembrar de tudo isso...
Texto que me fez pensar e ser uma pessoa um bocadinho melhor...

Voltarei a bater minhas asas por tão linda flor...

Beijose borboleteios...

Beth Cerquinho disse...

Meu amigo amei o texto!!
Obrigada pela visita e na verdade os amigos é que são espirituosos..rsss
Bjka e um mega domingo.

EDUARDO POISL disse...

Que a minha solidão me sirva de companhia,
que eu tenha coragem de me enfrentar,
que eu saiba ficar com o nada
e mesmo assim me sentir, como se
estivesse plena de tudo".

Clarice Lispector


Desejo um lindo domingo para você.
Abraços com todo meu carinho

Everson Russo disse...

Um bom domingo pra ti amigo,,,forte e fraterno abraço e que sua semana seja de muita poesia e paz...


p.s. uma vez até comentei contigo,,,somos Cruzeiro né? eu não sou fanatico e nem voce,,,e começou essa porcaria de campeonato mineiro....r..rs..rs..isso é chato até pra quem gosta demais...rs..rs....

Anita "Menina Flor" disse...

Ah menino danado! É assim agora é, nos pingos, rsrs. Cuido sim, aliás, eu iria cuidar mais ainda semana passada né, mas kd meu bem que não pode. Mas tudo bem, dessa vez eu perdoo, mas no niver não ok? Bjssssssssss

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Prometo,amr.No níver.E voce é meu melhor presente.Beijos,amore. multiplica aí

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Anita,meu bem.O pesadelo passou,tanto de olhos fechados quanto abertos.É apenas mais uma passagem de minha vida.Agora não tenho mais medo,tenho você comigo.Beijos,amore.MUltiplica aí

M. Nilza disse...

Quantas vezes condenamos sem critérios, quantas vezes somos condenados tbm sem entendermos o pq... Ainda bem que foi um sonho..! rsssss

Beijos

Elzenir disse...

Carlos, às vezes cobramos dos outros o que nós mesmos podemos dar porque somos egoístas. Bjs