ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

domingo, 12 de setembro de 2010

NOTÍCIAS DE CÁ, COM SAUDADES DE LÁ- PERO VAZ DE "CALZINHO"



Calzinho sou eu, he he. Ontem passei um pouco mal, me desidratei. Bem que me avisaram. “Cuidado com os temperos”. Mas eu sou muito teimoso. Tomei um litro de soro e outros sucos e líquidos e já estou bem.
Estou quase no final dessa primeira estada aqui e adianto que foi muito bom, tirando o impacto inicial, mas ao trabalho já me adaptei. As condições de trabalho são muito boas. Difícil ainda é não conhecer muita gente, isso só com o tempo, então bate um vazio sim. Lá no meu bairro me sinto um reizinho de amigos. Ando descalço, todo domingo é um churrasco, estou sempre visitando e sendo visitado e eu sinto falta disso. Isso também é com o tempo. Sobre o lugar, é mesmo bonito, bastante aprazível, clima gostoso, vento no rosto o dia todo e não tem a pesada maresia de outras praias. O que achei muito importante é que ao contrário do que vemos em outros grandes e famosos litorais do Brasil é que próximo à praia não existem edifícios, shopping centers, supermercados enormes, que nós, erroneamente pensamos que embelezam as praias. Quem embeleza a praia é a própria praia. Aqui é tudo é muito rústico, natural, prioriza-se muito a madeira nas construções e são sempre casas baixas. Assim a cidade fica bonita naturalmente. Evidentemente diferente de Pero Vaz, não encontrei só as índias e as belezas naturais. Existe o progresso, mas percebo boa preocupação com o meio ambiente. Achei as praias limpas, um trânsito tranquilo apesar do feriadão que prioriza o pedestre, os carros param pra gente passar. Os nativos são muito receptivos, não só os comerciantes, mas a população em si. Parece que há uma mentalidade geral de receber bem o turista. Tem que ser, não é? Gostam de dar informações, dão dicas para visitação, dicas de onde se compra mais barato, etc. Falando nisso, o custo de vida é meio alto, embora eu esperasse pior. Ah, as comidas são mesmo muito temperadas. De Porto Seguro a Arraial da Ajuda (onde estou) a travessia tem que ser de balsa e é uma delícia. Alguns malucos questionam, ‘por que não construir uma ponte ligando os dois pontos?’, mas fazer isso vai acabar com o charme do lugar e muita gente vive dessas balsas. E o turista adora esse passeio. É o mesmo que proibir vender santinhos em Aparecida do Norte ou visitação ao Padre Cícero em Salvador. Isso já está inserido no contexto da história do lugar. Ônibus não vi muito, motoristas de vans e taxistas ganham muito dinheiro. Aliás parece que todos aqui ganham dinheiro e eu acho isso bom. As pessoas precisam do dinheiro. Como não? O pescador, as donas das barracas do mercado, o moleque e os não tão moleques que ficam ajudando à beira da balsa. O que achei bem confortável que não fui abordado por nenhum desses vendedores chatos ou por outros insistentes para lhe prestar algum serviço. O produto está lá, se você se interessa, ótimo, mas ninguém fica no seu pé... “compra isso, compra aquilo”. Os bares são uma delícia para se estar e as ruazinhas são simpáticas.
A cidade vive pela praia e da praia e por isso acorda cedo. Logo de manhã a gente vê o movimento, mas nada de movimento estressante, é um movimento gostoso de uma rotina de trabalho e lazer que souberam conciliar. Aqui tem um povo com boa qualidade de vida. Há tempos vi reportagens de gente que veio aqui para passear e acabou ficando de vez. Achei um exagero na época, mas agora entendi.
Só lamento ainda não ter conhecido o centro histórico onde ainda existem antigos canhões de onde os portugueses estrategicamente protegiam o lugar de possíveis invasores. Dizem que é lindo e eu simplesmente adoro essas coisas. Gosto de lugares por onde passa a história do Brasil. Conheço bem Diamantina, um pouco Ouro Preto, um pouco também de Congonhas terra do espetacular Aleijadinho e ainda quero visitar com tempo os pontos históricos do Pernambuco.
///
( FOTOS TIRADAS DENTRO DA ÁREA DO AEROPORTO PARTICULAR ONDE ESTOU. A carcará mamãe cuidando do bebê. Amor de mãe é tudo, não é? )

9 comentários:

Sonhadora disse...

Meu querido amigo
Para você que eu não conheço, mas deve ser uma pessoa muito dada e com muitos amigos, deve ser mesmo difícil.
Gostei de ver o meu selinho aqui, obrigada pelo carinho de sempre.

Deixo um beijinho.
Sonhadora

Chica disse...

Eu adoro P.Seguro e acho qua a travessia pra A.da Ajuda é o máximo com a balsa e aqueles picolés tri bons de fruta mesmo que vendem lá! Bom saber que estás gostando!Valeu!abraços,chica

IT disse...

"Saudades de Calzinho-
com os causos de lá!"
E como tem causos este poeta!
Aproveite bem aí Poeta! cuidado com alimentação! mudança de clima adoece também. BeijITinhos

Lucimara Souza disse...

Passsando pra registrar minha presença por aqui e agradecer por todas as suas visitar em meu blog!
bjs

ValeriaC disse...

Carlos querido amigo, sempre muito agradavel te ler e ter noticias suas...fico feliz que esteja gostando...fique super bem amigo...tenha uma ótima semana...lindas fotos...beijos...
Valéria

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Carlos
Tenha uma ótima semana, cheia de realizações.
Grande abraço

SOS DIREITOS HUMANOS disse...

DENÚNCIA: SÍTIO CALDEIRÃO, O ARAGUAIA DO CEARÁ – UMA HISTÓRIA QUE NINGUÉM CONHECE PORQUE JAMAIS FOI CONTADA

“As Vítimas do Massacre do Sítio Caldeirão
têm direito inalienável à Verdade, Memória,
História e Justiça!” Otoniel Ajala Dourado

O MASSACRE DELETADO DOS LIVROS DE HISTÓRIA

No município de CRATO, interior do CEARÁ, BRASIL, houve um crime idêntico ao do “Araguaia”, foi a CHACINA praticada pelo Exército e Polícia Militar em 10.05.1937, contra a comunidade de camponeses católicos do SÍTIO DA SANTA CRUZ DO DESERTO ou SÍTIO CALDEIRÃO, cujo líder religioso era o beato “JOSÉ LOURENÇO GOMES DA SILVA”, paraibano negro de Pilões de Dentro, seguidor do padre CÍCERO ROMÃO BATISTA, encarados como “socialistas periculosos”.

O CRIME DE LESA HUMANIDADE

O crime iniciou-se com um bombardeio aéreo, e depois, no solo, os militares usando armas diversas, como metralhadoras, fuzis, revólveres, pistolas, facas e facões, assassinaram na “MATA CAVALOS”, SERRA DO CRUZEIRO, mulheres, crianças, adolescentes, idosos, doentes e todo o ser vivo que estivesse ao alcance de suas armas, agindo como juízes e algozes. Meses após, JOSÉ GERALDO DA CRUZ, ex-prefeito de Juazeiro do Norte/CE, encontrou num local da Chapada do Araripe, 16 crânios de crianças.

A AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROPOSTA PELA SOS DIREITOS HUMANOS

Como o crime praticado pelo Exército e Polícia Militar do Ceará é de LESA HUMANIDADE / GENOCÍDIO é IMPRESCRITÍVEL conforme legislação brasileira e Acordos e Convenções internacionais, a SOS DIREITOS HUMANOS, ONG com sede em Fortaleza – CE, ajuizou em 2008 uma Ação Civil Pública na Justiça Federal contra a União Federal e o Estado do Ceará, requerendo: a) que seja informada a localização da COVA COLETIVA, b) a exumação dos restos mortais, sua identificação através de DNA e enterro digno para as vítimas, c) liberação dos documentos sobre a chacina e sua inclusão na história oficial brasileira, d) indenização aos descendentes das vítimas e sobreviventes no valor de R$500 mil reais, e) outros pedidos

A EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DE MÉRITO DA AÇÃO

A Ação Civil Pública foi distribuída para o Juiz substituto da 1ª Vara Federal em Fortaleza/CE e depois, para a 16ª Vara Federal em Juazeiro do Norte/CE, e lá em 16.09.2009, extinta sem julgamento do mérito, a pedido do MPF.

RAZÕES DO RECURSO DA SOS DIREITOS HUMANOS PERANTE O TRF5

A SOS DIREITOS HUMANOS apelou para o Tribunal Regional da 5ª Região em Recife/PE, argumentando que: a) não há prescrição porque o massacre do SÍTIO CALDEIRÃO é um crime de LESA HUMANIDADE, b) os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO não desapareceram da Chapada do Araripe a exemplo da família do CZAR ROMANOV, que foi morta no ano de 1918 e a ossada encontrada nos anos de 1991 e 2007;

A SOS DIREITOS HUMANOS DENUNCIA O BRASIL PERANTE A OEA

A SOS DIREITOS HUMANOS, como os familiares das vítimas da GUERRILHA DO ARAGUAIA, denunciou no ano de 2009, o governo brasileiro na Organização dos Estados Americanos – OEA, pelo DESAPARECIMENTO FORÇADO de 1000 pessoas do SÍTIO CALDEIRÃO.

QUEM PODE ENCONTRAR A COVA COLETIVA

A “URCA” e a “UFC” com seu RADAR DE PENETRAÇÃO NO SOLO (GPR) podem localizar a cova coletiva, mas não o fazem porque para elas, os fósseis de peixes do “GEOPARK ARARIPE” são mais importantes que as vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO.

A COMISSÃO DA VERDADE

A SOS DIREITOS HUMANOS em julho de 2010 passou a receber apoio da OAB/CE pelo presidente da entidade Dr. Valdetário Monteiro, nas buscas da COVA COLETIVA das vítimas do Sítio Caldeirão, e continua pedindo aos internautas divulguem a notícia, bem como a envie para seus representantes no Legislativo, solicitando um pronunciamento exigindo do Governo Federal a localização da COVA COLETIVA das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO.

Paz e Solidariedade,

Dr. Otoniel Ajala Dourado
OAB/CE 9288 – 85 8613.1197
Presidente da SOS – DIREITOS HUMANOS
Editor-Chefe da Revista SOS DIREITOS HUMANOS
Membro da CDAA da OAB/CE
www.sosdireitoshumanos.org.br
sosdireitoshumanos@ig.com.br
http://revistasosdireitoshumanos.blogspot.com

Majoli disse...

Feliz em saber que está correndo tudo bem por aí com você meu amigo.
Gostei de ler um pouco sobre o que está vivendo, de como é o lugar.
Eu conheço Ouro Preto, Diamantina, Congonhas do Campo, tenho várias fotos até, mas faz tempo demais que passeei por lá.

Gosto também de conhecer locais que marcaram a História do nosso amado Brasil.
Fique com Deus meu amigo.
Beijos no teu ♥

Talita disse...

Passando para deixar um beijo e lhe desejar uma linda semana!!

Talita
tatapalavrasaovento.blogspot.com