ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

DONA FLORINDA VAI CASAR... AGORA VAI!






Sempre gostei de reinventar historinhas, desde criança, vivia reescrevendo finais para Pinocchio, Cinderela, Romeu e Julieta, e um monte. Até no Peter Pan eu resolvi mexer, em vez de Terra do Nunca eu citava Terra do Sempre. Então um dia desses eu estava recordando o seriado do Chaves, onde o Professor Girafales e Dona Florinda, namoram, namoram, mas nunca saem do lugar. Coitada, eu fico com pena dela, haja xícara de café, com aquele olhar sonhador, se derretendo toda, e tudo que ele  oferece é  buquê de rosas, quando ela queria na verdade era um argola no dedo. Sendo assim decidi reinventar um novo final, e sei que Roberto Bolaños, o Chaves, onde ele estiver, como defensor da criatividade que era, não vai se importar. O meu final é assim:
Ela depois de ficar deslumbrada com a chegada dele, estranha que ele não tenha trazido flores, e diz o de sempre, mas meio sem graça: “ Professor Girafales, que milagre o senhor por aqui!”. Ele em vez de dizer como no seriado, “ vim lhe trazer esse humilde presente”, esconde as mãos para trás. Ela comenta, quase chateada: “ Dessa vez o senhor não me trouxe flores. O senhor nunca se esqueceu”. Aí sim, ele mostra nas mãos uma caixinha: “Vim lhe trazer esse definitivo presente”. E abre mostrando as alianças. Ela quase desmaia, ele a segura nos braços, ela se refaz e se entrega,  e se beijam, como nunca acontecera no seriado. Depois de o coração desacelerar um pouco, ela diz: “Não quer entrar e tomar uma taça de milk shake?”. Ele estranha: “Mas não era café?”. Ela sorri matreira: “ Era café. Um momento desses merece um milk shake... depois um vinho, uma pizza. Queira entrar por favor”. Ele sorrri delicadamente: “Depois da senhora”. O que acontece lá dentro depois é impublicável... uiiiiii. É milk shake demais, meu Deus rs rs . 
=
Espero que Dona Florinda tenha ficado mais humilde, senão vai engordar de tanto tomar milk shake e não vai casar.

7 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Gostei de ler, Carlos!!

Beijo de boa noite
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Dorli Ramos disse...

Oi Carlos, desculpa não estava em casa e amanhã tenho que voltar para fazer um exame laboratorial.
Você é foda!!!Desculpe a expressão, não você não é foda: Você é o cara!!!
Lindo final!!
Beijos no coração
Minicontista2

Andre Mansim disse...

Hahahaha boa Carlos. Gostei.

Arte & Emoções disse...

Será que ela vai engordar por causa do milk shak mesmo? Gostei!

Abraços,

Furtado.

Rita Sperchi disse...

Tudo que vc posta ou escreve eu gosto
quem tem bom gosto é assim desejo que em
2016 vc continue brilhando como sempre
bjuss de boas festas e sempre meu carinho

└──●► *Rita!!

Zilani Célia disse...

OI CARLOS!
IDEIA GENIAL, CASAR O PROFESSOR GIARAFALES E DONA FLORINDA.
ABRÇS

http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Louraini Christmann - Lola disse...

kkkkkkkk, bom, muito bom!
Gostei desta mexidinha na soberba da moça.

Um grande abraço, amigo.
E muito obrigada pelo teu constante carinho
para com a minha poesia.