ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

A SAGA DA FADINHA E O BRUXINHO - REDESCOBRINDO O AMOR


( imagem google )

A Fadinha começou a se mostrar  afastada, desligada, às vezes estressada, e até desinteressada. Não bastasse agora três filhos, cismou de fazer novos cursos na escola de magia, o que lhe tomava boas horas do dia, além do mais, quando o Bruxinho  estava em viagens em missões, apesar de ter os duendes, os elfos, gnomos e outros guardas, ela era a principal responsável pela vigília astral do reino, afinal, era um reino muito cobiçado por bruxos  que gostariam de se apoderar do lugar. Isso incomodava o Bruxinho. O que seria agora? Não havia mais sonhos proibidos, nada a desconfiar, mas a mudança de comportamento o entristecia, e se fazia muitas perguntas:  “Será que ela não me ama mais e não quer dizer? Será que por eu viajar muito, o amor  está acabando? Mas eu não tenho culpa, viajo pelo bem do reino, trazendo coisas boas para cá,  e ajudando também outros reinos. Será que não  estou mais romântico? Ora, estou sim, todos os dias eu falo que ela é linda, que a amo. É... e quando falo, ela desconversa. É fato, é ela que está com algum problema e não quer falar. Talvez não me ame mais mesmo, e se isso for verdade, vou embora, vou até pedir ao Grande Mestre, se tem jeito  de me tirar os poderes, e vou ser homem comum do mundo real, pois não vou suportar ficar aqui sem o amor da Fadinha. Mas antes, preciso falar com ela.” Ele tentou, mas a Fadinha não estava receptiva, justificou com meias palavras:  “Você sabe que ando sem tempo, tenho muitos afazeres”. Ele insistiu:  “Nunca lhe proibi de fazer nada... mas,  é necessário mesmo você estar na escola de magia? Magia que eu mesmo posso lhe ensinar, pois você já sabe quase tudo”. Ela retrucou:  “Você está sendo um egoísta.  Não vou abandonar a escola, lá fiz várias amizades e distraio  um pouco minha  cabeça. Esse assunto  está encerrado”. Antes de sair,  ele disse triste:  “Você não era assim... intolerante, sem diálogo. Desconheço minha Fadinha. Vou dar uma volta”. E o Bruxinho foi para a beira de um grande lago, muitas milhas afastado dali. No outro dia foi de novo... de novo... e de novo... seguidamente. Lá ele ficava remoendo, pensativo, às vezes até adormecia. Até que num desses dias, uma voz feminina interrompeu o silêncio do lago:  “Olá, vejo que tem vindo muito aqui”. Ele se virou e viu uma linda e encantadora  Fada, e depois de contemplar sua beleza por instantes, respondeu:  “É, venho. Venho pensar na vida”. Ela se sentou na rocha ao lado:  “Parece-me um tanto quanto triste, Bruxinho”. Ele perguntou: “Como sabe  que sou um Bruxinho?”.  Ela sorriu: “Ora, eu também sou uma Fada e também tenho o dom de ver... só não consigo ver porque anda triste”. Ele disse:  “Coisas do coração. Tenho vários poderes, mas não sei lidar com o amor... ou melhor como perder, ou não perder um amor”. Ela que parecia também encantada com ele, se ofereceu:  “Bem, já é quase noite, tenho que ir. Eu venho aqui todos os dias, posso lhe fazer companhia, até que passe sua dor”. Ele agradeceu:  “Claro que sim, você me pareceu muito agradável”. E assim,  os encontros foram se repetindo e ficando cada vez mais envolvidos, o Bruxinho já não reclamava mais com a Fadinha, mal se falavam, só entrava e saía com pressa, ela até estranhou, mas não se importou muito. E assim...  à beira do lago, quase o amor. A nova Fada sabia provocar aquele coração carente:  “Bruxinho, nos conhecemos aqui, e parece que aqui, começou um sentimento entre a gente, já não consigo  parar de pensar em você. Quero algo mais”. No último instante, ele tocou o rosto dela: “Não nego que também sinto sua falta, quase não resisto a você, mas... já  tenho minha Fadinha”. Ela insistiu:  “Fadinha? Que não se importa com você? Que se perdeu em vaidades, deixando um  Bruxinho lindo de lado?”. Tentou  beijá-lo, ele tirou a boca: “Desculpe-me, não consigo”. E saiu correndo... correndo para seu lar. Lá estava a Fadinha chorando, e antes que ele dissesse algo, ela foi quem disse:  “Não fale nada. Eu te amo, meu Bruxinho. Reconheço que errei,  repensei tudo, e serei de novo a sua Fadinha delicada e apaixonada”. Ele não disse nada, apenas beijou-a como se fosse a primeira vez. Numa pausa, ele disse:  “Que tal fazermos uma  viagem, uma nova lua de mel?”. Os olhos dela pareciam duas pepitas de tão brilhantes:  “Uauuuu! Sintonia pura! Eu também pensei nisso, meu amado”. E assim, eles foram ter uma nova lua de mel. Onde? Exatamente na lua... a lua como leito, e  testemunhas, somente as estrelas.

14 comentários:

Fernanda Oliveira disse...

Nossa amigo Carlos que beleza de capítulo este...
O final então ficou lindo !
Sabe que amo essa vida da Fadinha com o Bruxinho.
Que legal, aguardando os próximos capítulos.

Beijos em seu coração da sua amiga Fernanda Oliveira

Nádia Santos disse...

Nossa, que susto! Pensei que a fadinha não fosse tentar conquistar seu amor e dá ele de bandeja pra outra fada esperta... Boa menina. Final feliz, adorei! Bjinhos poeta.

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Um bonita história para comemorar o dia das bruxas.
Ainda bem que tudo acabou bem e eles retomaram o seu grande amor, mas acredita que fiquei comovido com a outra que apareceu lá no lago...

A felicidade será sempre algo de estranho como as fadas...????

Lis Fernandes disse...

Olá amigo poeta!

Mais uma linda história.
O Bruxinho foi mesmo muito forte para não envolver-se mais com a outra Fada. No mundo real penso que ele não sairia correndo. rsrs
Mas o amor e o respeito falaram mais alto.
Ansiosa pela próxima e pelo livro, que vai ser maravilhoso.
Me envolvo nessa saga que me sinto lá dentro, lá no reino... rsrs
Beijos,

Lis

Marisa Giglio disse...

Adorei o final feliz , Carlos .
Agradeço a visita ao meu espaço , amigo .
Bom final de semana .
Beijos

Dorli disse...

Oi Carlos,
Fiquei intrigado com sua estória, pode responder-me aqui, depois volto para ler.
Essa fadinha que ele encontrou no lago não era a sua mulher fada disfarçada de outra fada? Talvez para testar o seu amor?
Se não for não entendo nada de fadas.kkkk
Beijos
Lua Singular

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Oi, Dorli. Sabe que não pensei nisso? Poderia ser mesmo muito bem a Fadinha, se disfarçando de outra fada pra testar o amor dele, já que ela andava meio pisando na bola, deixando-o carente, etc. Se tivesse pensando eu colocaria sim, ia dar mais um tcham pra história. mas agora vamos deixar assim, pois planejo colocar essa outra fada de novo em capítulos seguintes. Obrigado pela ajuda. Beijos.

.l disse...

Talvez devessemos criar um tal país ou lugar para onde nos deixássemos levar por uma qualquer fadinha... nem que fosse a fadinha do esquecimento...

ॐ Shirley ॐ disse...

Quase, hein, Carlos?...Quem mandou a Fadinha tratá-lo mal?...Beijos!

Anne Lieri disse...

Sempre uma aventura legal do Bruxinho e da Fadinha! Bjs e boa semana pra vc!

Marilac disse...

Carlos,
O amor precisa ser cultivado , com carinho e cuidados.
A rotina tem um peso que por vezes se não tomarmos cuidado nos afasta de quem amamos, esquecemos de como diz Artur da Távola: " fazer o amor bonito".
Sorte da Fadinha que seu bruxinho nutria um forte amor e não se deixou levar pelos encantos da fada que o encontrava no lago.
Que possamos aprender com essa historia a valorizar quem amamos a manter a poesia e a leveza na nossa vida!

Adorei o conto.

Abraços

Marilac

José María Souza Costa disse...

Olá, bom dia.

O tempo é de luzir. Então cada um de nós que busquemos o nosso Sol.
Ele paira, e nos convida ao aquecimento do cotidiano. Não por que queremos, mas por que o tempo, exige em exposição, que cada um de nós, busquemos o nosso lugar. Abraços.

Patrícia Pinna disse...

Boa tarde, amigo. Muito interessante o seu texto.
Na minha opinião, nunca erra-se sozinho, sempre existe a parcela de responsabilidade de ambos.
O importante, é que houve uma reflexão dos dois lados, e ela viu que estava sendo mais intolerante, redimiu-se.
Ele, por sua vez, não deixou-se trair por nova experiência, o amor e a lealdade para com a sua amada falaram mais alto.
Isto prova, que quando o amor é verdadeiro, tudo é superado, se existir um real desejo de mudança!!!!!!!!!!!!
Parabéns!
Beijos na alma e tudo de excelente, querido!

Jessiiiih =) disse...

amei o final
http://umagarotacitouu.blogspot.com.br/