ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

terça-feira, 22 de outubro de 2013

A SAGA DA FADINHA E O BRUXINHO - MAIS UM BEBÊ

( imagem  zazzle.com.br )

O  Bruxinho estava espanando a poeira de seus livros mágicos na estante quando a Fadinha veio:  “Ah, não! Não é possível uma coisa dessas!”.  Ele murmurou:  “Ai, ai... TPM de novo”. Ela ouviu,  e meio que brigou:  “Olha o respeito. Não é não. E se fosse?”.  Puxou-o pelo braço até o sofá:  “Ai, Bruxinho!  Estou grávida de novo... já estava desconfiada desde que minha magia interrompeu”. Calma, o autor explica rs rs. Dizem que quando as Fadinhas engravidam, sua magia é interrompida, elas  não podem fazer mágicas. Ele disse:  “Bem, Fadinha, eu sei que você só queria dois filhos, que já temos, mas não posso negar que estou feliz”. Ele entendeu:  “Eu sei, meu querido Bruxinho. Mesmo não tendo programado, vai ser bem-vindo. Vamos esperar. Esse Bruxinho está forte, hein?”, completou rindo. Ele riu também: “Já pensou se nascerem outros gêmeos?”. Agora ela brigou( ô Fadinha brigona):  “Vire essa boca pra lá! Que hora pra fazer piadinhas sem graça!”. A notícia correu por todo o Reino da Poesia, todos ficaram maravilhados, os duendes, os gnomos, guelfos, os bichos, assim os meses foram passando e o comentário era um só... a mais linda grávida de todo o reino.

Finalmente chegou o dia do nascimento, um lindo menino que se chamaria Jansen, o irmãozinho de  Charlotte e Peter , o casalzinho  de gêmeos que cresciam em graça e agora tinham sete aninhos.  Naturalmente, todas as atenções, ou quase todo o tempo era dedicado ao novo bebê, e isso refletiu entre os irmãozinhos. Peter e Charlotte ficaram diferentes. Peter  ficou  rebelde na escola, brigava com os coleguinhas. Charlotte abandonou as bonecas,  trancava-se no quarto o dia todo, e quando saía, tinha o rosto lambuzado de maquiagem. Pior que isso, pararam de se alimentar, não gostavam mais de banho, respondiam mal ao Bruxinho e à Fadinha, estavam sempre arredios e de nariz torcido. A Fadinha estava em recuperação, não podia fazer muito, restou ao Bruxinho entender o porquê de estarem assim. Certa noite, pé ante pé, entrou no quarto de Peter, e o ouviu chorando. A mesma coisa no quarto de Charlotte. No dia seguinte, reuniu os dois após o café da manhã. Disse:  “Peter e  Charlotte, queridos filhos. Até hoje somos uma família feliz... mas de repente vocês dois ficaram agressivos, tristes, estranhos. O que está havendo? Por que não falam o que tem de errado? Se não disserem como posso ajudar vocês? Deviam estar felizes, ganharam um irmãozinho. E o maior absurdo, já se passou um mês,  e nem o viram ainda”.  Finalmente, Peter tomou coragem:  “É por isso mesmo. Felizes? Ele tomou o nosso lugar”. Charlotte emendou:  “Mamãe, nunca mais falou comigo, desde que a barriga dela cresceu, não é mais minha amiga”. O Bruxinho pôs  a mão nos dois:  “Que lindos! Estão com ciúmes... mas estão enganados.  Mamãe e papai jamais abandonará vocês dois, ou vão  preferir o outro filho. Precisam entender que há um bebezinho, irmão de vocês, muito mais frágil que vocês dois, e que precisa de nós todos cuidando dele. Vocês já foram bebês também, e receberam o mesmo carinho, por isso cresceram lindos assim. Vamos... venham nos ajudar a cuidar de nosso bebê. E digo mais... a mamãe  anda tristinha por estarem agindo assim, por isso ainda não se recuperou direito, vai  fazer um bem danado  vocês entrarem pela porta do quarto dela”. Peter perguntou:  “Como ele é,  papai?”. O Bruxinho olhou para os dois, e  disse:  “Tem os olhos profundos de Charlotte... e a boca de Peter . Ele reuniu a beleza de vocês dois, eis aí mais um motivo pra vocês o amarem. Ele é vocês dois reunidos”.  Os irmãozinhos se entreolharam e disseram juntos:  “Vamos?”. Correram até o quarto, abraçaram a mamãe Fadinha, e depois se deslumbraram com o irmãozinho, que parecia entender  o que ocorria, e sorria também. O Bruxinho parado na porta, fotografava aquela cena magnífica, não com nenhuma máquina, mas com a retina de seus olhos marejados, para armazenar para sempre no coração. A Fadinha, de lá falou igualmente emocionada:  “ Você conseguiu. Você  é demais, meu querido Bruxinho. Só você mesmo para me proporcionar isso. Venha... junte-se a nós!”.  “ Claro que vou!”. E  misturou-se a  eles na enorme cama que transbordava de amor... ou melhor, naquela cama onde nasceu todo aquele amor.



7 comentários:

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Puxa... conflitos até no reino encantado. Estou começando a pensar que essa história da Fadinha e Bruxinho, é real rs rs.

Fernanda Oliveira disse...

Rs, é mesmo amigo Carlos, essa fadinha tem até TPM... coitadinha, eu sei o que ela sente perfeitamente !
Muito legal esse capitulo...
Mas um fruto desse amor lindo entre a Fadinha e o Bruxinho.
E o ciume dos irmãos isso é natural... hoje mesmo eu falava isso com uma amiga.
Mas devido ao amor que envolve esse casal, tudo deu certo no final...
Eu sempre digo que o amor vence tudo!!!

Amei amigo, parabéns !

Beijos de sua amiga Fernanda Oliveira

Lis Fernandes disse...

Olá amigo poeta!
Mais um delicioso conto.
Essa saga está cada vez melhor.
Penso que é uma história real mesmo.
Arrasou como sempre.
Me prendeu lá dentro.
Que venha mais...
Parabéns!

Beijos,
Lis

✿ chica disse...

Fantasia e realidade juntas nesse belo conto!Adorei! abração,chica

Mari Rehermann disse...

Adorei esta historinha, família é mesmo tudo igual, até nos contos de fada, rsrsrsrsrs...
Lindo de se ler!!
Grata pela sua adorável visita no meu cantinho!!

Tenha uma tarde iluminada!!
Beijinhos!!♥

Severa Cabral(escritora) disse...

Boa noite meu menino beija-flor!
Aqui os teus contos faz acontecer...valioso sim ...entre a fantasia nos envolvemos com o real...
Aproveito para trazer meu agradecimento pelo comentário no blog:
http://reflexosespelhandoespalhandoamigos.blogspot.com.br/
Valeu e muito.Precisamos propagar mais e mais para que toda mulher sinta o desejo de fazer o exame para que haja menos índice de câncer de mama!
bjs de boa noite !

Nyce Pinto. disse...

Amigo Carlos, muito interessante, no mundo real e no mundo da fantasia o "malvado" ciumes também existia? Adorei essa estória! Um abraço e feliz final de semana...