ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

segunda-feira, 9 de março de 2009

UMA NOITE DE PETER PAN

Sempre fui maravilhado com mundos encantados das fábulas e estorinhas infantis. Adorava o tradicional... “era uma vez num reino distante...”. Eu pensava. “Num reino distante estão acontecendo coisas”. Ou. “O reino é distante, mas lá as coisas são possíveis”. Eu sempre fui um menino diferente. Claro que brincava igual os outros, de bola, de pipa, de bolinha de gude, de pique. Mas às vezes no meio da criançada, eu me afastava, sentava numa pedra qualquer e ficava igual gente grande pensando, meditando. Quase sempre algum menino me chamava à atenção. “Tá dormindo, Carlos?”. Lá no meu bairro, bem no fim mesmo, tinha uma espécie de barranco enorme, quase um abismo, onde a gente brincava de escorregador. Já bem longe passava o rio. E depois do rio, a floresta. Gostava de ficar ali sozinho, sentado, contemplando. Passava horas, desenhando e escrevendo frases bonitas na terra. Eu já era um poetinha. Tinha dia que voltava quase de noitinha.
Sobre os mundos encantados, destaco dois em especial. “Alice no país das maravilhas”, o único livro que já li duas vezes, fora as vezes que gostava de ler só trechinhos esporadicamente. Gostava de Alice, por causa do espelho. Sempre lidei muito com espelhos, seja nos meus momentos de viagens íntimas, tristonhas e narcisistas, de vaidade, arrumando o cabelo me dizendo que eu era lindo... ou mesmo nos momentos de brigar comigo mesmo quando fazia burradas. Era no espelho que eu me dizia as coisas e era no espelho que eu sonhava também. Eu me imaginava num país de maravilhas, onde as chances fossem iguais e todos os sonhos fossem possíveis. Mas meu preferido era Peter Pan. O menino que se recusava a crescer. Que apenas abria os braços e voava para aonde queria. Quantas vezes me deu vontade de decolar daquele abismo, sobrevoar aquela floresta, fazer plim plim estalando os dedos como meu herói mirim. Uma Sininho do meu lado( sempre uma presença feminina) jogando em mim o pó mágico da esperança e da ousadia. Eu só não entendia ou não gostava muito é de chamarem de “terra do nunca”.Se tudo era possível por que chamar de “ nunca”? Isso me frustrava um pouco, pois pensava. “Primeiro me deixam sonhar, depois dizem que é nunca”. Felizmente prevalecia o espírito sonhador e aventureiro de Peter Pan. Quanto mais diziam pra eu não sonhar, mais eu sonhava. Quem me podava, não sabia que na verdade estava me injetando mais ânimo e força. Como Peter Pan, acho que eu também não cresci muito, mas não foi porque me recusei a crescer, acho que isso já nasceu inserido em mim. Além do mais tem gente que gosta do meu jeito.
Agora vou contar um sonho que tive que aparentemente não tem muito a ver com o que falei acima, mas tem. No sonho, estava uma noite chata e quente demais. Já era tarde e eu não dormia. A tv não tinha nada, aliás tinha.Um monte de coisas que não me diziam nada. Comecei a pensar nela, tão distante, uma saudade angustiante. Queria ela ali na minha cama, pra gente dormir abraçados, mas como se estava tão longe? De repente, minha janela que devia dar para o quintal, dava exatamente para o quarto dela. Ela estava ao mesmo tempo tão distante e tão perto.Era só esticar o braço. Eu a pude ver, linda em sorrisos, escovando os cabelos compridos, sentada em sua cama. Comigo, tinha uma bolsa dela. Dentro da bolsa aberta pude ver uma caixinha do tamanho de um porta-joias e estava vazia. Parecia esperar algo de mim. Pensei. “Vou devolver a bolsa a ela, mas com uma surpresa.Vou escrever EU TE AMO, na aba que fecha a caixa. Quando abrir vai ler e gostar”. Escrevi bem grande e fui caminhando, carregando a bolsa rumo à janela. Ainda pude ver seu sorriso me recebendo, mas quando toquei no parapeito... acordei. Virei-me ainda deitado e vi que minha janela dava é para o quintal mesmo. Levantei-me. Tomei água gelada, pois de real no sonho, só mesmo o calor, e a saudade, claro. Voltei à janela pensando. “Como eu gostaria de ser Peter Pan agora, estalar os dedos, fazer plin plin e voar para o quarto dela!”. Mas no nosso caso seria e será... a terra do sempre. Jamais gostei da palavra nunca.

11 comentários:

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Bom dia amigo, passe lá pelo meu blogger, pois há uma surpresa para você.
Abraço e boa semana

Salamandra disse...

OLá Carlos

Era uma vez....como eu gosto desta frase.Obrigada meu amigo ao ler seu post foi como se estivesse a ler uma hist+oria de encantar.
Eu adoro a Sininho do Peter Pan, quando fui á disney , meu filho tinha 14 anos agora tem 23 e diverti.me mais eu que ele, principalmente no espaço do Peter pan que eu adoro.
Coisa engraçada eu tambem nunca percebi porque chamam a terra do nunca isso me irrita um pouco(rs)
Eu quando criança e ainda hoje falo com meus amigos imaginários(ou não) minha mãe não compreendia porque eu ficava trancada no meu quarto dias completos só saia para comer.
Que bom foi poder recordar a minha infância,voçê já alegrou meu dia, Obrigada.
beijo
Salamandra

Menina do Rio disse...

Eu também nunca entendi porque a Terra é do Nunca, e não do Sempre; pois como tu, eu também cresci mas continuo a sonhar com um mundo onde todos sejam iguais, onde os capitães Ganchos possam ser derrotados. Bom seria crescer sem perder a magia, olhar no espelho e encontrar as respostas, fazer de conta e puf!...acontecer
A tua visão de um mundo perfeito é maravilhosa como as fábulas de nossa infância.
Ao menos, sonhar ainda é possivel.

Um beijo pra ti

Barbara disse...

Ora...ora, sua janela do sonho é um espelho.
O espelho do desejo pela amada.
O desejo pelo amor - sentir amor.
O espelho de Alice não - o seu.
E vc não é o Peter Pan mas tem a coragem de dizer que queria ser.
Isso é raro nos homens - Peter Pan são prá sempre.
Dizem que a diferença entre um menino e um homem é o preço dos brinquedos.
Sua declaração, sua postagem, seu sonhos, são muito bonitos.

Anônimo disse...

Deixa-me ser o sol que te aquece, Deixa-me ser a lua que te ilumina, Deixa-me ser a fantasia que te enlouqyece.
Deixa-me ser o eu que te entontesse.
Deixa-me ser o seu amor.

Flor do Pecado

(Carlos Soares) disse...

Lindas palavras,Flor do pecado.Muito obrigado, estou vivendo uma semana muito especial.
Bárbara,que bela e perfeita explanação você fez sobre o meu PETER PAN.Pelo jeito você captou.Volte sempre para abrilhantar meu blog.bjsss a todos

Izinha disse...

É muito gostoso essa volta ao mundo dos sonhos, deixar a criança navegar nas águas da imaginação...mas, bem q nossa vida poderia ser um sonho, a magia do Peter Pan e da Sininho, um tilintar de dedos, um maravilhoso viver....assim vc poderia pular o parapeito, ou melhor estalar os dedos e pronto...

Carlos, se vc me deixar teu e-mail posso te mandar o selinho, tá.

beijinhos muitos....prá ti!

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Adorei!

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Carlos, sabe quando você vê um texto enorme e pensa: "Eita, muita coisa pra ler". Só que quando comecei a ler o seu texto, engoli palavras com fome e vontade de saber mais e chegar logo no final de tão interessante e contagiante. Parabéns pela forma de segurar o leitor com suas palavras que encantam. Nunca tinha parado para analisar sobre a "Terra do Nunca", e tenho que concordar contigo, o NUNCA é uma palavra que não deveria existir em sonhos.

Obrigada pela visita e queremos te presentear com um selo de qualidade no segundo post do nosso blog.

Espero não perder contato.

=]

Rebeca

-

VIDA disse...

...Mas meu preferido era Peter Pan. O menino que se recusava a crescer...

É, Carlos, tenho a certeza que existe um Peter Pan dentro de cada um de nós.
Sabes as Histórias infantis, tem sempre uma mensagem, no Peter Pan, na terra do nunca temos o crocodilo que engoliu o relógio, símbolo do tempo, e que anda sempre atrás do capitão gancho, as metáforas são isso mesmo, sinais e mensagens, o Homem anda demasiado preocupado com o passado ou com o futuro, o tempo o persegue, e ele se esquece do Presente, de voltar a ser Criança, e de viver com fascínio, no mundo mágico que vivemos.

Um abraço

Alan

VIDA disse...

Carlos

Como não tenho o teu e-mail deixo-te aqui a mensagem

Obrigado pela sua visita, deixo-te aqui um link de um texto, e da CE. fica o Convite para também tu te associares, e colocares textos teus.

http://www.comunidade-espiritual.com/blog.php?sub_section=view&id=12341


A comunidade dá para trocarmos ideias e conviver e conectarmos nos todos

Um abraço

Alan