ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

quinta-feira, 25 de junho de 2015

PUNHAL

( imagem  punhal-cigano - google )

Sinto algo incomodando
que cutuca, machuca de vez em quando.
Deve ser esse punhal na minha carne que transpassa até  a alma.
Eu, na minha aparente calma
finjo que näo é comigo,
que não corro perigo.
Mas meu sorriso frágil mostra o quanto dói
a dor que se instalou.
A ferrugem corrói
de tanto tempo que ficou.
E se às vezes solto uma estrondosa gargalhada
pode ser o urro de uma fera machucada.
Nem eu posso retirar
de täo forte que alguém cravou.
Mas isso não é de todo mal;
O punhal que faz morrer,
também ajuda a viver.
A dor que näo deixa dormir,
é a dor que faz crescer.

=
O que seria da vida se não fossem as inquietações?

5 comentários:

Nanda Olliveh disse...

Lindo poema amigo, os nossos anseios sempre nos traz belas inspirações...

Beijos meu! Obrigada pelo carinho de sua visita!

Cidália Ferreira disse...

Lindo poema, muito belo mesmo.

Bom fim de semana, beijos

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

✿ chica disse...

Lindo e instigante poema,Carlos! Ótimo fds! abraços,chica

António Jesus Batalha disse...

Passando pela net encontrei o seu blog, estive a folhear achei-o muito bom, feito com muito bom gosto.
Tenho um blog que gostava que conhecesse. O Peregrino E Servo.
PS. Se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais faça-o de forma a que eu possa encontrar o seu blog para o seguir também.
Que haja paz e saúde no seu lar.
Com votos de saúde e de grandes vitórias.
Sou António Batalha.

Edjane Cunha disse...

Que poema bonito e forte. Faz lembrar um dito popular bem antigo: "A dor ensina a parir", na verdade é uma metáfora. Depois de passar, sabiamente, por grandes dores ressurgimos para a vida com nosso grito de "fera ferida", que seja, mas também de ser renascido, mais forte e mais vivo. Cada dor é um parto de onde surge um novo ser. Às vezes em carne viva e sangrando, é verdade, mas conscientes de estarmos vivos. A vida... um constante morrer e renascer. beijo no coração