ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

SE NÃO FOSSE O PASSARINHO

Caminhávamos por um imenso campo verde que parecia não ter fim. Andávamos de mãos dadas entre frutos e flores diversas numa aquarela jamais vista. Passarinhos em ritmos e tons diferentes compunham uma confusa mas agradável orquestra. Borboletas brincavam sobre nossas cabeças. Pareciam querer coroar-nos. O sol morno de outono tratava nossa pele com carinho. Enfim, a natureza virou cúmplice de nós, deliciosamente irresponsáveis, sem pensar no ontem, nem no amanhã.
Andávamos, andávamos e queríamos ainda mais. Quando sentimos cansaço, sentamos à sombra de um frondoso e velho carvalho, onde desenhei um coração com nossos nomes dentro. Ali, nos divertimos muito, vendo o vento arrancar as folhas secas das árvores e soprá-las para longe, comparando ao nosso amor, que também se renovava desfolhando uma velha saudade . Falamos de tantas coisas.
De qualquer coisa, mas só as coisas que se referiam a nós mesmos. Parecia que nada mais importava e não mesmo. Estávamos isolados, protegidos, envolvidos no véu do amor.
E continuamos nossa caminhada rumo a qualquer lugar, desde que fosse de mãos dadas. Rimos, brincamos, rolamos. Quando sentimos sede, avistamos logo abaixo um riacho de águas mansas e cristalinas, onde molhamos nossos lábios, antes de eles se encontrarem para saciar uma sede maior: a sede de amar.Foi um longo beijo! Foi um louco beijo! Foram muitos beijos!
Estranhamente a natureza aquietou-se. Nem passarinhos, nem borboletas, nem mesmo a brisa. Tudo deu lugar aos murmúrios e sussurros. Então, naquela relva fizemos o maior amor do mundo. Tão maior e tão melhor que não há explicação lógica, nem descrição poética. Então como se fôssemos um novo casal habitando o paraíso, dormimos abraçados e nus.
De repente, rompeu-se o silêncio. Um passarinho sem maldade, cantava nos meus ouvidos, até eu abrir os olhos lentamente e ver... o imenso campo verde nada mais era que minha cama de alguns metros quadrados. Nos meus braços, não era você...era o travesseiro. Fechei os olhos rapidamente para tentar voltar ao sonho, mas foi em vão. O passarinho insistente me fez voltar à realidade dura.
Esqueci o coração, obedeci ao relógio e fui trabalhar entre buzinas e conflitos.No ritmo lento das
horas, esperando chegar outra noite para abraçar novamente aquele travesseiro.

//////////////////////////////////////////////////////////////

Um comentário:

natureza disse...

Entre a realidade e o sonho, a muralha da rotina... bárbaro. obrigada pela passagem no meu blog. Abraços