ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

CACHOEIRA



Começa assim.
Na nascente.
Timidamente, delicadamente.
Vai crescendo num ritmo próprio.
Daí a pouco está intenso,
em ondas caudalosas e turvas
em deliciosas curvas,
provocando arrepios nas descidas e subidas,
sensações perigosas e gostosas
O sangue esquenta, o coração dispara,
mas, o rio não pára.
Acelera, acelera. Mais e mais.
Arrancando mais.
E na última evolução, no auge vai à forra
jorra uma cachoeira de sensações.
E mergulha... e se acomoda em espumas.
E recomeça o mesmo ciclo.
E volta o rio com as mesmas emoções.
Nosso amor é dessa maneira.
Comete, repete.
Nasce um filete d’água
e adora virar cachoeira

2 comentários:

Parapeito disse...

Muito bonita esta Cachoeira...palavras que deslizam cheias de sensualidade....

Belo um amor que começa pequena ´gota e se torna cachoeira...

Gostei de vir até aqui...Agradeço a passagem no meu parapeito

**

JGCosta disse...

Essa belíssima comparação entre amor e cachoeira ficou demais!

Abraços renovados!