ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

OS BEBÊS QUE MORREM VIRAM ANJOS!


( Confesso que fiz este texto chorando )
==
Há poucos dias tivemos dois casos comoventes de crianças que nos deixaram, os bebês Charlie da Inglaterra e Arthur do Brasil, um por doença rara, outro por bala perdida. Sobre a doença rara não vou me alongar, foge à compreensão humana, tampouco vou discutir sobre eutanásia, isso demanda um outro texto, envolve opiniões, religiões, debates e etc. Quero destacar o bebê brasileiro. O lugar mais seguro para um bebê é a barriga da mãe, por ele, ele ficaria lá dentro para sempre, dentro dessa bolha de amor protetora ele recebe em conexão direta, amor materno, água, oxigênio, alimentação, enfim toda a segurança e confiança que uma mãe pode dar. Isso também foge à compreensão humana, mas por ser uma ligação espiritual, cósmica, divina. O primeiro trauma na vida de uma pessoa é quando ela sai do ventre para o mundo, há um impacto, um choque, o bebê já não se sente mais tão seguro, mesmo a mãe estando ali transmitindo os primeiros carinhos físicos; ele sabe que não é a mesma coisa, parece que pressente o perigo de ter nascido. No entanto, Arthur não estava seguro nem na barriga da mãe; num triste dia, lá dentro ele sentiu um baque na coluna cervical, era a bala... essa cena eu visualizo assim: Ele deve ter pensado: “Que é isso? Isso não veio de minha mãe, minha mãe só me dá coisas boas, isso que senti agora é um coisa ruim”. O que se passou nos dias seguintes, já em coma, só Deus, ele e os Anjos sabem, mas acredito que ele não sentiu dor, Deus não deixa, os Anjos estavam ali o tempo todo, absorvendo qualquer dor que ele pudesse sentir. Independente disso eu creio que morrer não dói, na hora da passagem acontece uma força que nos anestesia, e a gente vai para o outro lado. Como eu sei disso? Não sei. Mas sei que sei. Já ouvi tantas vezes na vida essa pergunta, desde menino (as professoras principalmente, piravam rs rs), sobre coisas que eu dizia sem ter idade para tal, e respondia como agora: ‘Não sei. Mas sei que sei’. A redundância é proposital. Retomando, sobre a dor, viver é que dói, quando a gente assiste algumas cenas. Há muito o que se pensar sobre este mundo. É claro que a gente fica comovido, principalmente pelas mães, mas pelos bebês eu digo que fico feliz por eles, por não terem pisado neste mundo, acho que são uns felizardos por terem ido embora para junto de Deus, antes que o mundo lhes corrompesse. Crianças quando morrem viram anjos, porque são puras, e isso também dói, saber que um dia também fomos bebês puros. Este mundo já está bom é de acabar. ‘Que é isso, Carlos? Está revoltado? Logo um poeta dizer isso? ’... alguém certamente dirá. Eu sou um eterno otimista, mas tem hora que a gente fraqueja, a gente não é de pedra. Sei que existem pessoas boas no mundo, eu também me acho boa pessoa, mas sei que existem pessoas infinitamente melhores que eu, talvez por elas Deus ainda mantenha este mundo em pé. Às mães que perderam seus bebês eu consolo dizendo que não perderam, voltaram para o lugar de onde vieram: O COLO DE DEUS!
=
( imagem descobrindotesouros-wordpress.com )

12 comentários:

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Um lindo texto Carlos!
E muitas vezes nos perguntamos se é certo bebês morrerem,mas não podemos ir contra o que já está direcionado para nós,ou seja,podemos morrer bebês,assim como jovens ou bem idosos,isso somente Deus é quem sabe.
O melhor lugar é dentro da mãe,mas até dentro desse aconchego os bebês morrem.
Bjs e uma feliz semana.
Carmen Lúcia.

✿ chica disse...

Lindo e comovente e a cada bebê que daqui parte, mais um anjinho lá no céu! LINDO! abração,chica

lua singular disse...

Oi Carlos,
Eu gostaria de ter morrido no ventre da minha mãe, assim não teria passado o que passei. Só tive três coisas boas na vida.
A vida é assim quando se quer fugir do inferno, chega ao céu e de repente cai no inferno outra vez, capito?
Beijos
Lua Singular

Cidália Ferreira disse...

Texto lindo que em emocionou!
Eu tinha 4 anos e perdi um irmão com 1 mês e dias. Depois tinha 7 anos, perdi uma irmã com 9 meses, linda, vi-a morrer no colo da minha Mãe. Nunca mais na vida em esqueci. Quando sepultaram a menina na mesma sepultura do menino, ainda lá encontraram os sapatinhos de lã, dele. Hoje tenho 54 anos e lembro-me como se fosse hoje. É horrível uma Mãe perder um filho, seja qual for a idade. Sim, acredito que virem Anjinhos. :(

Parabéns pelo teu texto que me fez correr as lágrimas.

Beijo de boa noite.

dinapoetisadapaz disse...

Olá Carlos, texto comovente , assim como comovente foi a morte prematura do Arthur, chega a doer no coração da gente um acontecimento desse porte. Só de pensar na vulnerabilidade a que estamos sujeitos dá até tremores no corpo.Só Deus na causa.

Grata pela visita, gostei dos seus versos lá no meu blog.

Que seja leve a sua noite amigo.

Bjs no coração.


PAULO TAMBURRO. disse...

CARLOS,

emoção pura!!!

Muito bom.

Um abração carioca.

Ivone disse...

Texto reflexivo e ao mesmo tempo comovedor, não se pode imaginar uma mãe perder o filho assim, ainda em seu ventre, todo acalentado pelo amor e em um lugar que se pensa seguro, pela natureza é, pois ali ele está mesmo protegido, mas pela vida que se vê hoje em dia, com tanta violência por todo lado, que triste isso, muito triste mesmo!
Assim vamos, sabendo de coisas que, não se encontram explicações!
Abraços meu amigo, sentir é mesmo genuíno, dor pelas perdas dos inocentes, olhe que são tantos, continuam, nem dá para mencionar todos os casos!

Ana Bailune disse...

Triste... nem as crianças estão escapando da violência do mundo.
Bonito texto!

Janita disse...

Desde que me conheço, que ouvia os mais velhos dizerem essa frase. Só poderia ser assim.
O texto é muito comovente e terrivelmente triste quando uma criança morre.
O sofrimento dos pais e familiares deve ser atroz.
Infelizmente, os anjos partem e os pecadores ficam, a perpetrar crimes horrendos.
Injustiça Divina? Como poderemos saber os desígnios do Criador?

Um abraço de amizade, Poeta/Escritor.

Janita

LUCONI MARCIA MARIA disse...

BELISSIMO texto, já o tinha lido no face, mas gosto mesmo é de comentar na casinha de cada um, a tua então tem uma energia muito positiva, ah Carlos para as mamães é muito cruel, sei que o Pai tudo faz perfeito, e que uma razão maior existe, mas mesmo assim meu coração sangra ao ler tais fatos, mas é a realidade da vida da qual não podemos fugir, bjos Luconi

maria claudete ferreira herculano batista disse...

Querido amigo e poeta,primeiro quero relembrar o fechamento perfeito e correto do seu comovente e realístico : "voltou para o colo de Deus!" Claro que essa afirmativa está cheia de subtendidos que estão fora compreensão, tais como, se voltou é porque já existia...mas também se voltou é porque o "sopro divino" é unico para cada criatura... O que seria como você bem colocou assunto que daria muitos panos para a manga ,como dizemos os nordestinos. Voltando se Deus nos ama igualmente e nos chama pelo nome ,posto que nos conhece a todos, ele quer na sua misericórdia que "todos" voltemos a ele, para o paraíso que criou para todos nós ele que se fez pequeno como homem e se humilhou até à morte da cruz , foi por cada um de nós seus filhos muito amados com todos os defeitos e iniquidades,pois o ser humano Deus não deixa de amar até o fim, Ele abomina o pecado do Homem, a transgressão , por isso meu querido não podemos odiar o MUNDO! estamos aqui como transeuntes buscando o caminho da purificação carregando , como Jesus, a nossa CRUZ. Por essa razão fica tão agonizante aceitar todas as misérias do mundo. Só lembrar que o seguimento a Jesus será sempre provocativo ! Temos que fazer escolhas justas, denunciar , como você está fazendo aqui , mas com o cuidado de semear sempre a perseverança e a crença que tudo será melhor quando o mundo se der conta que somente o AMOR constrói, e tem que ser AGORA. Por último , que bom que você continua blogando!
Desculpa os erros de digitação,ainda sinto dificuldades.
Beijos e muita Paz nesse coração tão lindo e sensível.
claudete

Arte & Emoções disse...

Talvez tenha sido uma forma de DEUS levá-lo de volta, não por arrependimento de tê-lo enviado, mas por deduzir que algo bem pior, como uma vida inteira de sofrimentos o esperava aqui neste mundo de fome, miséria e violência. Voltou sem sentir as adversidades que o mundo tinha para lhe oferecer. Belo texto Carlos!

Abraços,

Furtado