ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

A FADINHA E O BRUXINHO - A ÚLTIMA PROVA DE AMOR



Quem tem acompanhado desde o início a saga vivida pela Fadinha e o Bruxinho, sabe que tiveram entre si muitas provas de amor. Tiveram conflitos também, é verdade, até no mundo encantado  existem conflitos, a diferença é que quem vive no mundo encantado, lida melhor com esses conflitos, por isso, o amor deles sempre venceu. O  Mestre mandou chamar  o Bruxinho  às pressas para uma missão urgentíssima. “Você precisa voltar ao mundo terreno, há um ser maligno muito poderoso que está influenciando terrivelmente as cabeças dos humanos, e eles estão destruindo a natureza, em breve aquele planeta pode deixar de existir, tamanha é a destruição que praticam. Sua missão é conscientizar aquela gente sobre a preservação da natureza”. O Bruxinho exclamou:  “Não entendo como uma civilização destroi o próprio lugar onde vive e dele necessita”. O Mestre respondeu:  “Pois é justamente isso que quero lhe advertir. Não espere facilidades, essa será a maior batalha de sua vida... muito perigosa. Para você  ter uma ideia, há mais de dois mil anos, Deus enviou seu Filho para salvá-los,  e eles  O mataram. O que esperar de um povo que mata o Filho de seu Deus?”. O Bruxinho depois de prometer o empenho, retirou-se em reverência ao Mestre, e ao chegar  em casa, explicou tudo  à Fadinha, que comentou:  “Senti um calafrio, estou com mau pressentimento, sinto que algo ruim vai acontecer. Tem mesmo que ir?”. Ele respondeu:  “Sim, eu tenho. Confesso que apesar de toda a minha coragem e poderes, sinto receio também, o Mestre me disse coisas horríveis dos humanos. Disse que os poucos humanos bons são mortos, ou esquecidos, deixados de lado, não têm valor, e que lá prevalecem a ignorância, a vingança, o ego”. Ainda mais preocupada depois de ouvir isso, ela o abraçou e beijou, com aperto no coração, desejando boa viagem e boa sorte na temida missão. Ele despediu-se também das crianças, foi até o portal interdimensional que divide os mundos, e partiu. Os dias foram passando, a Fadinha ficando preocupada, pois, nas missões anteriores, ele sempre voltou mais rápido, apesar de ter sido avisada sobre as dificuldades. Mas suas preocupações não eram infundadas. O Bruxinho percorreu ruas, praças e avenidas falando com os humanos sobre a necessidade de preservação de seu mundo, alguns até ouviam no primeiro momento, mas depois caçoavam dele... e tome lixo nas ruas... e tome fumaça no ar... e tome desmatamento... e tome lixo nos rios, nos mares... e tome agrotóxico... e tome cigarros... e tome bebidas... e tome drogas... e tome ganância pelo progresso imediatista... e tome doenças. Depois o abnegado Bruxinho procurou as autoridades das nações, até de louco foi chamado, por pouco seria crucificado também.  Desolado, pensou: “Nunca fui derrotado em minhas missões, mas nessa, fracassei. Preciso voltar e dizer envergonhado ao Mestre que não consegui”. Porém a pior tristeza estava por vir... quando tentou voltar pelo portal interdimensional, ele estava fechado, não se abriu para ele porque a missão estava incompleta, só poderia voltar com a missão cumprida... e ele chorou: “Estou condenado a viver aqui para sempre, a insistir numa luta inglória, sem frutos, pois essa gente não quer ajuda, não gosta de mudanças. Vou lutar até a morte... e sem minha Fadinha e meus filhos. Que fim triste para minha vida!”. Do outro lado, a Fadinha pressentiu algo de ruim, e tomou uma decisão; foi ao Mestre, que entendendo a situação e preocupado com o fiel Bruxinho, autorizou que ela fosse atrás do amado. Quando ela chegou, interrompeu suas lágrimas: “Você não está sozinho, meu bem! Vim para ficar com você... seja em qualquer mundo, quero estar com você”. Num susto agradável, ele se virou e abraçou-a correndo. “Você aqui, minha doce Fadinha?”. Ela enxugou seu rosto: “Sim, acha que deixaria meu Bruxinho amado sozinho nesse mundo cruel?”. “Mas e as crianças?”, ele perguntou. “Calma, elas vieram também, deixei-as num lugar seguro  até  lhe encontrar. O Mestre me contou tudo e vim morar aqui com você. Pense bem... não desista desse mundo por causa das pessoas más, mas acredite nesse mundo por causa das pessoas boas. É por causa das pessoas boas que Deus ainda poupa esse mundo. A nossa luta não vai mesmo ter fim, mas com as poucas pessoas que convencermos do bem, o mundo já estará um pouco melhor”. Ele fitou a amada: “É verdade. E com você pertinho de mim, estarei mais forte, mais confiante, pois, o amor nos fortalece. Eu te amo, Fadinha!”. “Eu te amo, Bruxinho!”. Como todo conto de fadas, esse não poderia terminar diferente...  eles viveram felizes para sempre.
========================================================

E assim, eu termino essa saga de amor entre a Fadinha e o Bruxinho, que se Deus quiser, pretendo colocar em livro também. Tudo começou como uma brincadeira, a imaginação foi ajudando, e foram aparecendo contos e mais contos nessa cuca diversa e ousada que Deus me deu. Estou tentando um novo jeito de narrar  contos de fadas. Não ter estilo, É o meu estilo. Espero ter passado boas mensagens.
 A IMAGINAÇÃO É O ÚNICO LUGAR ONDE A GENTE É SEMPRE FELIZ.

13 comentários:

Dorli disse...

Oi Carlos,
Adoro contos de fadas, escrevi muitos no blog, mas nada que se iguale aos seus. Mas pelo ao menos tento.
Adorei
Beijos
Lua Singular

Maria Cristina Gama disse...

Oi, Carlos, tudo bem?

Uma graça o seu conto, quase chorei, eu disse "quase", pois aprendi a nãoo chorar mais...

E eu tenho mais uma missão para esse bruxinho: voltar à Terra e ensinar às pessoas que existe o final "E viveram felizes para sempre", pois o amor está acabando, as pessoas se separam tão rápido quanto vive uma borboleta, se alimentam do amor, se transformam de lagartas a borboletas, mas quando deixam suas sementes, morrem... O amor deveria ser para sempre, mas ele est

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Puxa, amiga Cristina. Você me balançou, pensou num final que eu não havia pensado, eu poderia ter colocado assim, os seres humanos se redimindo, conto estaria mais que perfeito. Acho que em parte, prevaleceu minha mania de deixar um gostinho de quero mais, e também minha desconfiança para o com ser humano, mas não posso deixar de considerar um pedido de alguém tão especial e gabaritada para isso como você. Não dá mais para por nesse texto, afinal outras pessoas já leram, mas abre uma possibilidade sim, de eu fazer mais um, com o êxito do bruxinho em convencer os humanos. Gostei da dica.

✿ chica disse...

Fico feliz em acompanhar essa saga tão linda e que nos encanta ler!abração praiano,chica

Lis Fernandes disse...

Parabéns Bruxinho, ops... quero dizer Poeta. rsrs
Fechou com chave de ouro.
Vou sentir falta.
Acompanhei todas e me sentia dentro das estórias.
Estou ansiosa pelo livro.
Que venha em breve.

Beijos,

Lis

Fernanda Oliveira disse...

Boa tarde amigo Carlos !
Gostei demais desse capítulo final, e realmente fiquei com o gostinho de quero mais, rs dessa estória tão gostosa de ler.
Talvez no momento em que for editar o livro venha mais inspirações a serem escritas, adaptadas.

Sem palavras para descrever tão grande criatividade. Parabéns !
Algo que em todo tempo se fez presente neste conto foi o amor do casal, que fez com que eles ultrapassem barreiras juntos em todo tempo.
Em meus comentários sempre comento com o coração, falo dos sentimentos que o escrito me passa, e comentar seus textos é sempre fácil pra mim, pelo fato de você escrever tão naturalmente com coração !

Linda e mega estória !


Beijos no coração !

Fernanda Oliveira

Marisa Giglio disse...

Uma saga de amor com muita delicadeza . Parabéns , Carlos . Escreva mais . Escreva outras para nossa alegria . Beijos

Nádia Santos disse...

E viva ao amor e aos bons de coração. Bjus

Vera Lúcia disse...


Bacana, Carlos.
Gostei deste final romântico e da mensagem que o capítulo traz. Coitado do Bruxinho, pois recebeu uma missão quase impossível. Ainda bem que a Fadinha e os filhos vieram ao encontro dele, pois o retorno deles ao reino encantado poderá demorar uma eternidade-rs.

Que venha o livro!

Abraço.

Anne Lieri disse...

Eu adoro finais felizes e esses dois personagens não poderiam terminar separados. Um belo final! bjs e boa sexta pra vc,

MARILENE disse...

Seu conto ficou fofo. Parabéns! Muito agradável de se ler e com final feliz, embora a luta deles seja inglória e infrutífera. Bjs.

Nyce Pinto. disse...

Olá Carlos, que lindo final para o bruxinho e sua amada... Mas, fiquei aqui pensando... Um final lindo por estarem juntos, com os filhos e vivendo essa linda história de amor que você foi aos poucos nos contando... E a Terra? Terão esses lindos seres exito em sua missão? Conseguirão com todo amor, que trazem do mundo encantado, contaminar nosso Planeta e aos habitantes? Iremos ajudá-los? A imaginação aqui foi longe... Sonhei, sonhei! Acredito num mundo melhor, com mais responsabilidade com tudo e com todos! Meu amigo Menino Beija-flor, obrigada por compartilhar tão lindo sonho... Que se torne realidade! Um abraço e muita luz...

Luconi Marcia Maria disse...

Carlos não vai acreditar a sintonia, estava eu pensando em ir no face para pegar o link de tua casa, quando vi que chegava por email o seu comentário lá em minha casinha.
Menino, sabe fiquei sem net por quatro meses e acabei perdendo o caminho das casas de amigos queridos, devagar estou indo atrás, e estou feliz de estar aqui lendo este conto de fadas fantástico e escrito de uma forma diferente que eu adorei, parabéns você o encerrou de uma forma mais realista, sabe a Maria Cristina disse que o amor está acabando, não o amor nunca acabará, as pessoas é que não aprenderam ainda a conhecê-lo e então ele se nubla, por causa de sentimentos menores como o orgulho, amor próprio e ciúmes, uma pena...... beijos Luconi