ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

sábado, 8 de dezembro de 2012

ERA UM DIA COMO OUTRO QUALQUER...

( imagem Tribunadehoje.com )

Vamos fazer um natal diferente?

( recordando 1985 )
Tudo estava no seu lugar. O asfalto, as árvores, ainda dava para ver alguns passarinhos e borboletas no ar, apesar da fumaça. As pessoas cumpriam a rotina, andando pra lá e pra cá, em busca de não sei o quê. Buzinas e vozes se confundiam. Carrões e mendigos se distinguiam. O luxo e o lixo dividindo a mesma calçada. Nas lojas, liquidações. Nas ruas, a vida também parecia não valer muito, estava em liquidação. De um lado um arranha-céu imponente zombava do barraco do outro lado na favela quase tão alto quanto o edifício. Shopping center lotado. Os botecos também. Num só cenário, o trem e o avião. Gente chegando, gente partindo. Gente chorando, gente sorrindo. Gente amando, gente sozinha. O seguro que garante o carrão do doutor, o gás que acaba na hora do almoço preocupando a dona de casa que espera o seu amor. Rimei sem querer. Mania de poeta ou intuição, sei lá. Tudo isso colorindo e compondo uma selva de concreto, uma selva de contrastes. Uma selva de um animal frio e estranho chamado homo sapiens. É... a lei da selva é dura. Quem tem a boca maior engole o outro. E domingo vão à igreja rezar. No fim do ano trocam até presentes.
De repente, um rapaz, magro, claro, cabelos enrolados (qualquer semelhança com o autor é mera coincidência), destacou-se naquela mesmice selvagem, subindo num pequeno palanque que improvisara. Trajava roupas simples, palavras simples também... e ideias estranhas. Tinha nas mãos um megafone e no peito uma vontade de gritar. Nos olhos parecia carregar um sonho, um brilho diferente. Chamou a todos de irmãos, pedindo atenção aos transeuntes, conseguindo aos poucos reunir um grupo de curiosos à sua volta. E falou muito. Forte e alto. Falou da igualdade entre os homens tão lindamente estabelecida por uma tal de ONU e tão tristemente esquecida pela mesma. Lembrou Luther King e Gandhi. Mas lembrou Hitler também. Citou os heróis como Tiradentes e os covardes também. Mas frisou, não precisamos mais de heróis, precisamos apenas que cada um faça a sua parte. Mandou ver as coisas simples, onde habitam Deus e a felicidade. Mirar o sol, as estrelas, o ar, e sentir DEUS. Pediu respeito às crianças. Mandou desligar somente por um dia as antenas parabólicas e ligar as antenas da sensibilidade. Que as peles são diferentes, mas todo sangue é vermelho. Que pessoas nasceram para brilhar e que o mendigo deitado na esquina é apenas um sintoma de que a sociedade faliu, perdeu para si mesma. Que a paz precisa sair dos slogans e ir direto ao coração, célula-mãe de toda uma sociedade. Que o segredo está no domínio do ego. Falou que a guerra é uma burrice e quem pensa ter vencido também fracassou. Não há paz real se não for geral. E falou, falou e falou... mais e mais. Até ficar rouco.
E tudo permaneceu no seu lugar. O asfalto, as árvores. Os carrões e os mendigos. O shopping estava intacto. O barraco talvez não, porque o barraco morre um pouco a cada dia. Enfim, pessoas "rotinando". Tudo igual.
Ele???
Meia hora depois, estava numa camisa de força, trancado num hospício.
Acharam mais fácil chamá-lo de louco.



15 comentários:

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

A narrativa é fictícia, mas a intenção é real. ( ê juventude! Um tempo de cuca maravilhosa, colorida )

Evanir disse...

Estamos a poucos Dias do Natal
agradeço seu carinho no decorrer de mais um ano ,
que esta chegando ao Fim.
Só tenho que agradecer a Deus por sua amizade,
agradecer acima de tudo Deus por ter preservado
minha vida por mais um ano.
Em meio a tantos obstáculos passando
por cada um deles movida pela fé e esperança de Dias melhores.
E para encerrar o Ano com chave de ouro coloquei
mais um livro em sorteio no meu blog.
Para participar basta ser seguidor colocar o selinho de participação que esta na postagem do meu blog
manter seu blog atualizado pelo menos 8 dias no Dia do sorteio.
Conto com sua participação.
Uma abençoado final de semana beijos no coração,Evanir..

Wanderley Elian Lima disse...

Olá amigo Carlos
Por mais cruel que possa parecer essa é a realidade, cruel e triste,em um mundo onde o desigualdade social leva muitos ao luxo e a maioria ao lixo.
Voltei
Grande abraço

MARIA DA GRAÇA REIS disse...

A realidade é dura!
Gostaria de dormir nesses dias e só acordar quando essas " festas" tivessem terminado
poucos lembram que comemoramos o renascimento de Jesus no coração dos homens.
Um abraço

Orvalho do Céu disse...

Olá, Carlos
Obrigado por ter me comentado na minha ausência...
Dá muito menos trabalho trancafiar num Hospício... certamente!!!
Compreender requer sair de si e é demais para os cansados da vida...
Tem convite amanhã e dia 10... participe!!!
Bjs fraternos de paz e bem

Vera Lúcia disse...


Olá Carlos,

Excelente a sua crônica. Bem envolvente.
A charge é ótima.
Infelizmente, a vida segue sem muitas mudanças naquilo que é primordial, ou seja, na igualdade e fraternidade humana. E você disse bem, "não há paz real se não for geral".
Procuremos fazer a nossa parte. Se todos levantarem esta bandeira, com certeza, muita coisa mudará para melhor.

Ótimo final de semana.

Meu abraço.

Cristina disse...

Un placer pasar a leerte Carlos, el traductor me confundió un poco.
Te dejo un fuerte abrazo, buen fin de semana!
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨★
¨¨¨¨¨¨¨¨¨**
¨¨¨¨¨¨¨¨¨*o*
¨¨¨¨¨¨¨¨*♥*o*
¨¨¨¨¨¨**o**♥*o*
¨¨¨¨¨**♥**o**o**
¨¨¨¨**o**♥***♥*o* “
¨¨¨*****♥*o**o****
¨¨**♥**o*****o**♥**
¨******o*****♥**o***
****o***♥**o***o***♥ *
¨¨¨¨¨____!_!____
¨¨¨¨¨\_________/¨¨¨@

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido amigo

Uma ficção que se torne realidade infelizmente...como sempre adorei e deixo um beijinho e desejo um bom Domingo.

Sonhadora

MARILENE disse...

E esse cenário não mudará. Palavras bonitas encantam em rodas sociais, mas cada um vai cuidar da própria vida e nem observa as carências humanas. A sensibilidade está em falta e os recursos que beneficiariam muitos, encontram-se em mãos de poucos, com uso questionável. Bjs.

luna luna disse...

lindíssimo o teu texto, forte e ao mesmo tempo sonhador, quem incomoda ou é preso ou considerado louco neste mundo transviado
beijos

Everson Russo disse...

Infelizmente vivemos assim,,,em um mundo desigual...abraços e uma bela semana pra ti.

Anne Lieri disse...

Carlos,o pior é que isso pode acontecer mesmo!Se existe uma pessoa com ideias diferentes,provavelmente será tido como louco!Bonita sua msg,num texto sensivel que só vc mesmo!bjs e boa semana!

Rosa Branca disse...

Adorei o post. O SEGREDO ESTÁ NO DOMÍNIO DO EGO, e a guerra, inveja e desentendimento está justo na falta de domínio do mesmo.

Paty Alves
www.agape-amorverdadeiro.blogspot.com
www.patyiva.blogspot.com
www.tentardec0oracao.blogspot.com

#*Marly Bastos*# disse...

Carlos,
Infelizmente cada um olha para o seu próprio umbigo e tapa as laterais dos olhos para não ver as mazelas sociais à volta. E assim, a humanidade segue adiante, falando muito e agindo pouco em prol da igualdade humana.
A paz de verdade só existiria se todos dessem as mãos. Mas quando aparece alguém que lança em rosto a hipocrisia que se prega, é hora de tacha-lo de louco.
Ótima crônica.
bjks doces querido e e uma semana iluminada,

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Um momento para reflexão. Precisamos rever muitas coisas que se instalaram nas nossas vidas e nas nossas famílias e que retiram o verdadeiro sentido da festa de Natal.

O verdadeiro Natal de partilha, perdão, amor e fraternidade parece ter sido abandonado e substituído por um outro onde se inverteram os verdadeiros valores.