ESCREVER É DIVINO!

ESCREVER É DIVINO!
BONS TEMPOS EM QUE A GENTE PODIA VOAR. ERA MUITO BOM SER PASSARINHO.

CAMINHOS DE UM POETA

CAMINHOS DE UM POETA
Como é bom, rejuvenescedor e incentivador para o poeta, poder olhar para trás e ver toda a sua caminhada literária, lembrar das dificuldades, dos incentivos e da falta deles, da solidão de ser poeta e do diferencial que é ser poeta. Olhar para trás e ver tudo que semeou, ver uma estrada florida de poesias, e dizer: VALEU A PENA! O poeta vai vivendo, ponteando, oscilando, e nem se dá conta da bela estrada que escreveu. Talvez ele não tenha tempo porque o horizonte o chama, e o seu norte é... escrever... escrever... escrever. Olho hoje para trás... não foi fácil, mas também ninguém disse que seria. E eu sabia que não seria, ser poeta não é fácil, embora seja lindo. Contemplo a estrada que eu fiz, e digo com orgulho quase narcisista: Puxa... como é linda minha estrada!

quinta-feira, 4 de julho de 2024

A TRAVESSIA…

 


Conheci a bolinha de gude e o Iphone.
O disco LP, o Cassete, o CD e o Bluetooth.
Brinquei de bang bang e de Star Wars
Tirei onda de Tarzan e de Xman.
Alucinado com o Professor Pardal e suas invenções geniais,
hoje me encanto com invenções atuais.
Maravilhoso ter estado nas duas pontas da ponte,
pela idade, dividida,
mas em toda a travessia, nunca deixei de ser o Carlos Poeta,
pois em cada brincadeira, em cada faceta da vida,
manter minha ternura, minha inspiração,
sempre foi minha meta.
=

( Imagem blog.sapo.pt - Google)

sábado, 25 de maio de 2024

POESIA NO ESPELHO

 


Do que mais tenho falado se não de amores?
O que mais tenho regado a não ser flores?
O que mais tenho desejado se não a paz,
enquanto por aí se diz “tanto faz”?
O que mais tenho dado e recebido do que abraços?
O que mais tenho reforçado do que redes, do que laços,
de amizade, de fraternidade?
O que mais tenho erguido do que homens,
em vez de paredes?
O que mais tenho cultivado além da esperança,
como se fosse ainda uma criança?
O que mais tenho protegido que a natureza,
para nela a gente se ver?
O que mais tenho exaltado do que as coisas simples,
como símbolos da beleza que é viver?
O que mais tenho irradiado que simpatia, empatia?
Não sou perfeito, assumo,
mas em resumo…
eis a minha poesia!

=
( Imagem Creative Fábrica - Google

domingo, 19 de maio de 2024

DAS FORMAS DE SENTIR O MUNDO

 



Sobre o mundo e ao mundo, admito:
eu omito, desacredito e até minto.
Mas o que digo sobre as coisas invisíveis,
as não tangíveis, essas são todas reais.
Só acredito naquilo que sinto,
concretos se calam. 
Que se calem!
Abstratos me falam, e me valem mais.

=
( Imagem agenciafusao.com.br )

segunda-feira, 22 de abril de 2024

BORBOLETAS AZUIS

 



Todas os dias borboletas sobre minha cabeça
amenizando meus afetos e desafetos
afins e afãs,
colorindo minhas manhãs,
melhorando meu ego.
Que eu mereça!
Que eu não seja cego
ao colorido da vida,
com a balança da alma aferida,
assim, meu coração eu sossego.
Viver, não renego,
ainda que a alma esteja ferida.
Borboletas me dão esperança,
são metamorfose.
Tenho com elas uma simbiose
até pareço criança de tanto sonhar
que um dia também terei asas para voar.
Hoje elas não vieram,
pensei ‘deve ser por causa da chuva’.
Procurei atrás da curva,
vasculhei todo o jardim.
De repente percebi,
está completa a simbiose,
elas voaram para dentro de mim.
=
NOTA: Todos os dias quando vou trabalhar, passo dirigindo numa estrada de terra, dentro de uma matinha, e sempre me deparo com algumas borboletas azuis... que com certeza me inspiraram mais um poema. Senti que me passam uma mensagem. Nada mais justo que homenagear minha amigas borboletas azuis. Divino isso!

=

Imagem Borboletas Azuis - Google)

sábado, 30 de março de 2024

DAS PREFERÊNCIAS

 


Dos Jacksons… eu prefiro o Michael.
Dos Johns… eu prefiro o Lennon.
Dos reis… eu prefiro Elvis.
Dos Leonardos… eu prefiro o Da Vinci.
Dos Charles… eu prefiro o Chaplin.
Dos Franciscos… eu prefiro o de Assis.
Entre hits e beats… sou bitolado nos Beatles.
Da paz… prefiro a do Gandhi.
Das danças… eu prefiro o tango.
Dos pássaros… eu prefiro o Beija-Flor.
Das crianças… admiro e invejo todas.
Das mulheres… a que tiver amor.
Da vida? Ah, dessa eu quero bodas e bodas.
Entre tantos homônimos,
finalmente um sinônimo aconteceu:
da poesia…
prefiro Drummond e eu.

=
=
( Imagem http://xn--fadaspsicanalise-4gbw-zub6a.com/ - Google)

sábado, 16 de março de 2024

SINOS DA SOLIDARIEDADE

 

Se houvesse mais corações solidários,
não haveria tantos corações solitários.
Não estar à frente como guia,
mas ao lado do outro, dentro do outro,
sentir o outro dentro de si a cada dia.
Colocar-se no lugar do outro.
Só assim, se pode compreender o sentido e o benefício da solidariedade.
Saber que se o outro estiver mais forte,
eu também estarei mais forte,
pois a felicidade tem que ser um lugar comum.
Quando os sinos dobram, dobram por mim e por ti,
que sejam então, sinos de felicidade.
Todos os dias repicam em mim os sons da solidariedade.

=

(Imagem Wikipédia)

sexta-feira, 19 de janeiro de 2024

LADAINHA.

 


Nasço, morro
Renasço, refaço.
Cresço, apareço, desapareço.
Brinco, brigo, dedico, desligo.
Construo e desfaço.
Do amor, eu careço
o ódio, não mereço.
Beijo, abraço, desejo,
fraquejo num dado momento,
e em outro momento, reinvento.
Estudo, trabalho, me atrapalho,
rio, choro, perco, ganho
me encolho, me assanho
vivendo entre “porém, todavia, contudo, no entanto, entretanto”,
portanto misturo sonhos e devaneios,
realidades e quimeras,
outonos e primaveras,
com invernos no meio.
Um dia envelheço, é o preço.
Trancos e barrancos, cabelos brancos
fazendo as últimas curvas da estrada que foi tão minha,
não me pertence mais.
Olho pra trás, vejo flores e ervas daninhas.
Concluo:
Essa vida é mesmo uma confusa ladainha,
na qual eu também me incluo.
=
( Imagem Papodeboteco.net- Google ) 
Ver menos